Em 2018 consegui me superar e ultrapassar os 100 livros lidos – foram 116, e essa lista se tornou uma das mais difíceis que já fiz. Muitas obras mexeram comigo de diferentes formas e fisgaram meu gosto, minha curiosidade, minha atenção, e mereciam muito estar aqui como Mate o Próximo, Você, Kindred ou Psicose. Mas regra é regra, e sigo a tradição de elencar os dez melhores que li no ano, independente de sua data de lançamento. Vamos a eles?

1 – A Ilusão do Tempo – Andri Snaer Magnason

Semelhante a um conto de fadas, A Ilusão do Tempo é uma obra-prima da literatura contemporânea. Carregado de lições, reflexões e ensinamentos, o livro explora as ilusões e as formas de se iludir. A construção de um mito que vai se transformar em fanatismo religioso convive com a ganância pelo poder. A tentativa de congelar o tempo esbarra no implacável passar do tempo, ensinando que “é possível chorar mesmo com o sol brilhando lá fora e rir num dia de chuva e ventania”. Ou seja, é preciso viver!

Se presenteiem com a leitura de A Ilusão do Tempo e descubram uma das melhores histórias da vida de vocês. E seguindo o clichê da abertura, aproveitem cada minuto da vida. As areias continuam a escorrer…

Leia a resenha

_____________________________________________________________________

2 – Dracul – Dacre Stoker & J.D. Barker

Dracul tem uma narrativa envolvente e com uma linguagem que se aproxima o máximo possível do romance original. E em alguns pontos, acaba por trazer novas interpretações para trechos do mesmo. Inclusive recomendaria aos leitores que curtem mergulhar de cabeça nas histórias que façam a leitura das duas obras em sequência para terem uma experiência super enriquecedora.

Horror raiz, tradicional, com muita tensão e cenas assustadoras, Dracul é um dos melhores lançamentos do gênero em 2018. Uma obra que vem para honrar as tradições do terror e mostrar que ainda há muito a se explorar na literatura dos vampiros, sem cair em clichês.

Leia a resenha

_____________________________________________________________________

3 – HEX – Thomas Olde Heuvelt

A pequena cidade de Black Spring é o laboratório social em que o autor tece discretamente suas críticas e nos aterroriza. A comunidade que nos é apresentada lá nas primeiras páginas, e que está unida em torno da proteção de um segredo, vai ruindo à medida que a tensão vai crescendo. Nos atos finais, as máscaras sociais vão caindo e aí sim a histeria, a loucura e o verdadeiro comportamento humano frente às adversidades vêm à tona.

HEX é um livro fadado a se tornar um clássico do terror contemporâneo. Thomas Olde Heuvelt transformou uma ideia simples em espetáculo de horror e loucura em que percebemos que, às vezes, é melhor ter os olhos costurados do que enxergar as camadas verdadeiras do que e de quem nos rodeia.

Leia a resenha

_____________________________________________________________________

4 – A Assombração da Casa da Colina – Shirley Jackson

A Assombração da Casa da Colina não é um livro sobre espíritos ou entidades sobrenaturais que “tocam o terror” pra gelar a espinha e fazer perder o sono. O horror aqui está na insanidade que a casa provoca ou apenas evidencia.

Shirley Jackson em A Assombração da Casa da Colina não escreveu uma história de terror para nos tirar o sono. A pegada aqui é uma alucinante condução pela insanidade. No fim, ao completar o ciclo iniciado no primeiro parágrafo, a única certeza que fica é que por mais influenciados que possamos ser, a escolha de se entregar à Casa da Colina é unicamente nossa. São nossas fraquezas que assombram e alimentam a Casa da Colina.

Leia a resenha

___________________________________________________________________

5 – Flores para Algernon – Daniel Keyes

Flores para Algernon é um relato bastante cru de uma realidade bem próxima de qualquer um de nós.

É impossível sair ileso dessa leitura. Seja pela condição do personagem e os altos e baixos que acompanhamos, seja pela nossa própria percepção do mundo, de nossos atos e da forma como enxergamos e nos comportamos perante o outro. Flores para Algernon é uma das melhores leituras, e releituras, porque elas serão necessárias, que você pode fazer na sua vida

Leia a resenha

_____________________________________________________________________

6 – Tiger Lily – Jodi Lynn Anderson

De refinada escrita, Tiger Lily é uma obra singular. Capta e traduz em essência sentimentos tão puros e nobres quanto não hesita em mostrar os lados cruéis da vida. Traz o toque da inocência de dois jovens corações que enfrentam pela primeira vez sentimentos e dilemas desconhecidos e precisam aprender, a partir deles, como crescer, amadurecer, seguir em frente. Em outro ponto, explora o trágico da vida em decepções amorosas, traições, manipulações e na própria crueldade da natureza humana que nos faz mudar de atitude em estalar de dedos. Por fim, tem a pegada aventureira de desbravar lugares, enfrentar piratas, explorar uma natureza intocável e fazer dela um lar. Em resumo, um caldeirão literário da melhor qualidade que resgata o alto nível de se contar uma boa história.

Leia a resenha

____________________________________________________________________

7 – O Poder – Naomi Alderman

A mensagem da obra é chocante, pessimista e desanimadora e, infelizmente, parece conter boas doses de verdade. Basta olhar para o mundo ao nosso redor para concluirmos que no fim das contas a ambição de estar acima dos outros não tem nada a ver com gênero, classe social, opção sexual ou raça…. É algo da natureza humana.

Aos que buscam uma verdadeira distopia construída em uma metáfora genial do nosso mundo, a leitura de O Poder vai não só agradar como mexer com a forma como você encara tudo à sua volta. É um livro para ser lido uma, duas, três vezes de modo a assimilarmos toda a mensagem que ele contém!

Leia a resenha

____________________________________________________________________

8 – Todo Dia a mesma Noite – Daniela Arbex

Todo Dia a mesma Noite não é um livro fácil. É clichê falar em “sonhos interrompidos”, mas que outra expressão melhor define não só as vidas das 242 vítimas, mas de todos os sobreviventes atingidos de alguma forma pela tragédia? Daniela Arbex equilibrou na medida certa a dor, a indignação, o desespero, as alegrias das boas lembranças e aquela interrogação que paira sobre o futuro. É um livro doloroso, mas necessário, e que honrou como poucos saberiam honrar a memória desses brasileiros.

Leia a resenha

__________________________________________________________________

9 – Deuses Caídos – Gabriel Tennyson

A história aqui é para quem tem estômago e aprecia qualidade de criação, sem pré-conceitos. Aos fãs do terror, do fantástico, do sobrenatural, leiam, releiam e ergam as mãos aos céus, pois, enfim, temos um horror digno dos maiores clássicos escrito por um nome nosso. Recheado de referências, com um humor ácido, e em uma linguagem gostosa e envolvente, Deuses Caídos é o livro do ano no terror brasileiro. É o livro que nenhum mortal pode deixar de ler, sob pena de enfrentar a fúria dos deuses.

Leia a resenha

_____________________________________________________________________

10 – A Nuvem – Neal Shusterman

A partir de um enredo sólido, crível e inteligente, A Nuvem é o segundo ato de uma série que vai esmiuçando características humanas e expondo os podres que impedem uma sociedade de seguir em frente e superar seus defeitos. E isso não é bem uma crítica, afinal fica claro que podemos avançar o quanto for possível, mas jamais vamos fazer com que as fraquezas que compõe a essência do homem desapareçam. Essa é a nossa natureza e dela não podemos fugir, nem mesmo se entregarmos tudo ao controle da inteligência mais inteligente que jamais existiu.

Leia a resenha

_____________________________________________________________________

Confira as listas anteriores:

Os dez melhores livros de 2017

Os dez melhores livros de 2016

Os livros que deixaram a desejar em 2017

Os livros que deixaram a desejar em 2016

Compartilhar
Artigo anteriorCandyman | Obra de Clive Barker ganha edição única no mundo
Próximo artigoResenha: Filhos de Sangue e Osso – Tomi Adeyemi
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta