Sinopse Suma: Um serial killer com poderes paranormais está assassinando evangelistas famosos — e os vídeos de cada um deles sendo torturados ganham cada vez mais público na internet. Para garantir que o assassino seja capturado e o máximo de discrição mantida, Judas Cipriano — um padre indisciplinado, descendente de são Cipriano e herdeiro de alguns poderes celestiais é convocado. Veterano nesse tipo de caso, o padre é enviado para trabalhar como consultor da Polícia Civil e fica responsável por apresentar à jovem inspetora Júlia Abdemi o lado místico da cidade. Para resolver o caso — e sobreviver —, os dois precisarão de toda ajuda que puderem encontrar… O que inclui se unir a uma súcubo imortal, um dragão chinês traficante de armas mágicas e um gárgula que é a síntese da sociedade carioca. (Resenha: Deuses Caídos – Gabriel Tennyson)

Opinião: Assassinos com dons sobrenaturais, mortes viscerais, e os caminhos misteriosos das religiões são o combustível para grandes histórias de terror. William Hjortsberg nos presentou com Coração Satânico, um dos melhores exemplos de livros nessa pegada. Se pensarmos nesse Brasil em que a crença é intrínseca em nosso povo, o que não faltam são elementos capazes de gerar um panteão de personagens dotados dos mais inusitados dons e histórias para mexer com nossos nervos. Se avançarmos mais um pouco e mergulharmos na ginga mística do sangue carioca, aí então que teremos todo um universo a ser explorado. Um mundo e um submundo povoado por deuses caídos.

Fugindo daquelas tentativas recorrentes de imitar autores norte-americanos ou mesmo de ambientar a trama em territórios estrangeiros de modo artificial, como existem inúmeros exemplos povoando nossas estantes nacionais, Gabriel Tennyson mergulhou na essência do carioca e esbanjou criatividade e originalidade para compor seu Deuses Caídos. O livro já nasce um clássico no terror brasileiro e coloca o nome de Gabriel naquela listinha seleta de autores a serem acompanhados de perto pelos fãs do gênero.

A base tradicional do suspense está na superfície de Deuses Caídos: um assassino em série e uma dupla de investigadores em seu encalço para detê-lo. Mas é mergulhando na essência da obra que encontramos seu diferencial e sua genialidade. A sociedade carioca, seus estereótipos sociais, a cultura, o sincretismo, a sensualidade, o subúrbio e a zona sul… Tudo se mistura para dar vida a um terror bizarro, sujo, chocante e extremamente plausível. Por mais grotesca que seja a trama, e isso não é uma crítica negativa, em nenhum momento ela soa como uma fantasia absurda. Excluindo as situações mais fantásticas, todo o resto é crível e daríamos total crédito se fosse notícia de jornal. Porque esse sobrenatural que Gabriel tão bem manipulou faz parte da nossa essência. Logo, é verossímil.

Nas páginas de Deuses Caídos vocês vão encontrar o pecado, que tão bem conhecemos, sendo punido por alguém que se acha um novo messias. Os pecadores escolhidos são um acerto à parte e a forma de punição é elaborada e inteligente. A investigação está nas mãos de um padre síntese do carioca, que transita em todas as esferas, fala todas as gírias e conhece todos os buracos onde se tem solução pra tudo. Mas é no lado coadjuvante que o encanto do livro é mais forte. Gárgula, súcubo, dragão chinês, fada do dente, todos carioquíssimos, sensuais, construídos com DNA de Brasil. Gabriel Tennyson criou e adaptou um rol de entidades e figuras mitológicas e folclóricas para dar sustentação a sua história. Com isso, inaugurou uma mitologia nova, bem brasileira, e que lhe permite expandir seu universo em incontáveis novas histórias.

Puritanos, conservadores e mentes fechadas devem manter distância da leitura de Deuses Caídos. A história aqui é para quem tem estômago e aprecia qualidade de criação, sem pré-conceitos. Aos fãs do terror, do fantástico, do sobrenatural, leiam, releiam e ergam as mãos aos céus, pois, enfim, temos um horror digno dos maiores clássicos escrito por um nome nosso. Recheado de referências, com um humor ácido, e em uma linguagem gostosa e envolvente, Deuses Caídos é o livro do ano no terror brasileiro. É o livro que nenhum mortal pode deixar de ler, sob pena de enfrentar a fúria dos deuses.

Avaliação:

 

O Autor: Gabriel Tennyson nasceu em 1978, no Rio de Janeiro, onde mora até hoje. Quando não está escrevendo, assiste a séries, joga RPG, passeia com seus dois cães, Krypto e Ravena, e sonha em deixar a literatura fantástica tão popular quanto o Zeca Pagodinho. Foi semifinalista no concurso Fantasy e finalista no prêmio Bang! Com o romance Evangelhos arcanos, que viria a se tornar Deuses Caídos, seu livro de estreia.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: A Balada de Adam Henry – Ian McEwan
Próximo artigoJohn Grisham
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

4 COMENTÁRIOS

  1. rpz tua resenha praticamente me obriga a comprar esse livro. Ainda nao achei um terror nacional q tenha me deixado sem folego, mas pelo teu texto bora encarar esse

    • Pode comprar sem medo que você vai curtir muito esse livro, Leonardo. Dê retorno aqui comentando assim que vc ler pra eu saber o que tu achou!
      Valeu pela visita e comentário. 😉

  2. Será que, quem tem medo de filme de terror tem medo de livro também? haha
    Ganhei um exemplar e estou com medo de ler. Será meu primeiro contato com o gênero.

    • Não, Sabrina. Pode ler sem esse receio. Nem todas as obras classificadas como terror são para dar medo e essa é uma delas. É um livro sensacional e que tenho certeza que você vai curtir. Leia e depois venha me contar aqui o que achou.
      Ah, se por acaso você ficar com medo (o que eu duvido), pode brigar comigo! 😉

Deixe uma resposta