Sinopse Companhia das Letras: A personagem central é Fiona Maye, uma juíza conhecida pela “imparcialidade divina e inteligência diabólica”, na definição de um colega de magistratura. Mas seu sucesso profissional esconde fracassos na vida privada. Prestes a completar sessenta anos, ela ainda se arrepende de não ter tido filhos e vê seu casamento desmoronar. Assim que seu marido faz as malas e sai de casa, Fiona tem de lidar com o caso de um garoto de dezessete anos chamado Adam Henry. Ele sofre de leucemia e depende de uma transfusão de sangue para sobreviver. Seus familiares, contudo, são Testemunhas de Jeová e resistem ao procedimento. O dilema, porém, não se resume à decisão judicial. A crise doméstica e o envolvimento emocional com Adam – que oscila entre a maternidade reprimida e o desejo sexual – desarrumam sua trajetória de vida exemplar, trilhada com disciplina espartana desde a infância.  (Resenha: A Balada de Adam Henry – Ian McEwan)

Opinião: Na extensa obra de Ian McEwan, A Balada de Adam Henry ocupa, em minha opinião, um espaço intermediário. Apesar de manter o vigor de seus antecessores e jogar luz sob a atuação de juízes olhando-os sob o ponto de vista humano e não apenas como os perseguidores de criminosos dos thrillers jurídicos, o livro se contenta em ficar no básico que já se espera do autor. Mesmo podendo ir mais a fundo nas questões abordadas, Mc Ewan preferiu entregar aquilo que seus leitores estão acostumados, sem muitas ousadias.

A Balada de Adam Henry se destaca pela forma como sua protagonista, a juíza Fiona, foi construída. Disciplinada desde criança, ela é uma mulher forte, capaz de tomar decisões bem embasadas e que definem os destinos de vida dos litigantes que passam por suas mãos. Por outro lado, essa mesma força se transforma em fraqueza quando, dentro de casa, seu casamento desmorona e ela não consegue tomar decisões. O ato simples que ela se acostumou a exercer diariamente no tribunal não se repete em sua vida pessoal. Focada no trabalho, Fiona não consegue dispensar as mínimas atenções para lidar com o que está ao seu redor. Algumas passagens curiosas trazem interlocutores conversando com a personagem e ela sempre no meio termo entre um insignificante prestar atenção e as divagações sobre quaisquer outras questões.

Esse drama familiar vivido por Fiona acaba se misturando com o drama de vida que chega às suas mãos. A difícil tarefa de decidir a sobrevivência de um garoto leucêmico cuja religião não permite a transfusão de sangue. Os contratempos e descaminhos na busca pela sentença a levam a envolvimentos emocionais e Ian McEwan conduz os leitores pelos labirintos do comportamento humano. Ateu convicto, o autor explora, ainda que de forma menos combativa e mais contida, as contradições de uma crença que prefere ver o filho morto a ter seu sangue misturado com o de outra pessoa.

A balada que Henry escreve e envia à Fiona, e que conduz a trama para seu desfecho previsível, apressado e um tanto brusco, arremata uma história que não tem fim. Como em muitas de suas outras obras, McEwan faz apenas um recorte da vida, em sua faceta mais banal. Vislumbramos uma passagem de tempo na biografia daqueles personagens e seguimos em frente, como eles certamente também seguem, buscando aquilo “que só pessoas de mente aberta, e não o sobrenatural, podiam dar: um sentido para a vida”.

Avaliação:

O Autor: Ian McEwan é considerado um dos grandes nomes da ficção britânica contemporânea. Seu primeiro livro, First love, last rites (1975), ganhou o prêmio Somerset Maugham. É conhecido pela inventividade com as palavras e pelo gosto de usar a mecânica dos thrillers como crítica social. Ao longo de sua carreira foi indicado diversas vezes para receber o Booker Prize, o mais prestigiado prêmio literário britânico, o que veio ocorrer em 1998 com o livro Amsterdam (1998).

Sua obra é famosa pelo realismo psicológico, com rigor de detalhes e clima ameaçador, explorando com frequência temas complexos como escolha ética, decisões difíceis e circunstâncias extraordinárias.

Compartilhar
Artigo anteriorKristin Hannah
Próximo artigoResenha: Deuses Caídos – Gabriel Tennyson
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta