Sinopse Morro Branco: Quando as coisas não vão nada bem e os economistas preveem uma enorme crise financeira, a família de Vitória – assim como o resto do mundo – decide se esconder em suas misteriosas caixas pretas à espera de tempos melhores. No entanto, após vários anos, a caixa de Vitória se abre e a menina se vê em uma cidade em ruínas. Sem rumo, ela caminha por prédios e ruas tomadas por florestas e animais selvagens, até chegar à uma casa onde crianças se reúnem em torno de uma senhora para ouvir a história de um rei ganancioso que conquistou o mundo, mas desejava conquistar o tempo. Vitória aos poucos percebe uma conexão entre sua própria história e a do reino mágico. Junto com seus novos amigos, ela precisa encontrar uma forma de consertar o mundo antes que seja tarde demais. (Resenha: A Ilusão do Tempo – Andri Snaer Magnason)

Opinião: É clichê dizer que o homem se tornou escravo do tempo. Mas quantos de nós – a maioria quase absoluta certamente, não consegue mais dar conta das idas e vindas desse mundo louco por causa do correr dos ponteiros do relógio? E quando nos damos conta, às vezes, passou não só o tempo das horas como o tempo da vida. Independente de quanto evoluímos tecnologicamente, o implacável correr das areias na ampulheta não para jamais. Com elas escorrem nossos desejos, realizações, relacionamentos, sonhos…. Nossa vida! Não é possível parar o tempo. Não é possível pular o tempo. Não é possível contornar ou driblar o tempo. Promessas assim não passam de ilusão.

Mas e se esse mundo sem limites para inventividade nos desse a possiblidade de congelar nossa existência? Entrarmos em uma “caixa” e pularmos o tempo, sem envelhecer, sem mudar nada em nossa constituição física, apenas acordar em uma época mais à frente. Que tal? Você que odeia o inverno poderia simplesmente pular esse período e ter uma vida em que seria verão sempre. Ou fugir dos dias chuvosos, das nevascas, enfim…. Viver apenas aquilo que te interessasse e deixar o resto pra atrás. Perfeito não?

A Timax desenvolveu essa tecnologia e quando uma crise financeira ameaça se abater sobre o país, Vitória e seus pais se mandam pra dentro de sua caixa. Mas algo dá errado e quando Vitória sai da caixa, sozinha, as cidades foram tomadas pela selva e animais. A ela e a outras crianças resta se reunir em torno de Rosa, única adulta que não sucumbiu aos encantos da Timax, e ouvir uma história que tem muito a lhes ensinar. E assim começa A Ilusão do Tempo com um rei ambicioso, uma princesa adormecida, um garoto apaixonado e um mundo em ruínas.

Contando uma história dentro da história, a fábula de A Ilusão do Tempo versa sobre a busca em domar o tempo. O rei que desejava a felicidade eterna para sua filha a mantém sob os encantos de uma magia que impede que o tempo passe, enquanto ele se dedica a conquistar o mundo. Mas falta tempo para governar o mundo inteiro. E enquanto esse tempo passa, a princesa incólume vê todos ao seu redor crescerem, envelhecerem, enquanto ela permanece presa na mesma idade. Na tentativa de consertar as coisas, o único amigo dessa princesa tenta salvá-la, mas o tempo cobra seu preço. E nos caprichos do destino, a história da princesa vai se entrelaçar com a história de Vitória para encontrar seu desfecho mágico, triste, aventureiro.

Semelhante a um conto de fadas, A Ilusão do Tempo é uma obra-prima da literatura contemporânea. Carregado de lições, reflexões e ensinamentos, o livro explora as ilusões e as formas de se iludir. A construção de um mito que vai se transformar em fanatismo religioso convive com a ganância pelo poder. A tentativa de congelar o tempo esbarra no implacável passar do tempo, ensinando que “é possível chorar mesmo com o sol brilhando lá fora e rir num dia de chuva e ventania”. Ou seja, é preciso viver!

Com uma linguagem rica, poética e envolvente, Andri Snaer Magnason escreveu um manifesto de alerta para a importância de aproveitarmos cada minuto de nossa vida. Essa nossa sociedade consumista, em que a velocidade da comunicação nas redes sociais vem gerando individualismo e futilidade, quase se assemelha às caixas Timax. “Presos” nessa realidade, esquecemos que o tempo continua seu curso. Olhamos para o amanhã e esquecemos do agora. Se presenteiem com a leitura de A Ilusão do Tempo e descubram uma das melhores histórias da vida de vocês. E seguindo o clichê da abertura, aproveitem cada minuto da vida. As areias continuam a escorrer…

Avaliação:

 

O Autor: Andri Snaer Magnason é um ambientalista e premiado autor islandês publicado em mais de 30 países. Já escreveu diversas peças de teatro, poesias, ensaios, romances e estórias curtas. Recebeu uma citação especial no Philip K. Dick Award e ganhou diversos prêmios, incluindo o Grand Prix de L’Imaginaire para romance estrangeiro.

Seu premiado documentário Dreamland fez parte da aclamada produção Inside Job, ganhadora do Oscar. Em 2016, concorreu à Presidência da Islândia.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: O Mistério do 5 Estrelas – Marcos Rey
Próximo artigoResenha: Um Rio muito Frio – Michael Koryta
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta