Sinopse Global: Um homem é assassinado no apartamento 222 do Emperor Park Hotel. O único que viu o corpo foi Léo, o mensageiro. Mas ninguém acredita em suas histórias, a não ser seus amigos Gino, Ângela e Guima. Léo é apenas um garoto e seus inimigos são ricos e poderosos. Sem ter provas nenhuma contra elas, acaba perdendo o emprego e sendo procurado pela polícia, achando que tem problema de cabeça. Quem conseguirá desvendar o mistério do cinco estrelas? (Resenha: O Mistério do 5 Estrelas – Marcos Rey)

Opinião: Poucas coisas na experiência humana se igualam ao momento em que descobrimos o prazer por trás do ato da leitura. Se entregar aos encantos de um livro, mergulhar em sua história, desconectar do mundo ao redor e viajar, sonhar, extrapolar os limites do real e, em certo aspecto se aventurar junto aos personagens por mistérios, universos e romances. Ter a oportunidade de esbarrar em um livro que conquiste sua atenção e a partir dele desperte o hábito e o gosto pela leitura, ainda criança, é, na minha opinião, tirar a sorte grande na vida.

Durante algumas décadas, a partir dos anos 1970, a literatura infanto-juvenil brasileira foi presenteada pela imortal Coleção Vaga-Lume. Em meio às joias publicadas nesta coleção se encontra um daqueles livros fundamentais na minha formação como fã do suspense. Entre as muitas publicações de Marcos Rey, O Mistério do 5 Estrelas é um daqueles livros que fisga a atenção de qualquer criança e a leva num caminho sem volta para o mundo da leitura. E, décadas depois, ainda tem a capacidade de fascinar um adulto e trazer para o rosto aquele sorriso prazeroso de se reencontrar com memórias da infância.

A história do garoto que acha ter testemunhado um assassinato e decide ir a fundo para investigar o caso, lutando contra alguém poderoso e influente tem ares, inicialmente, de se desenrolar da forma mais simples e banal possível. Na inocência dessa aventura encontramos, porém, uma trama bem elaborada com inúmeros desdobramentos e reviravoltas para ninguém por defeito.

O trio de personagens, com um destaque absurdo para Gino, o cadeirante fã de xadrez que faz as melhores jogadas na investigação, é a síntese do que toda criança de interior lá nos anos 1980 idealizava de aventura para suas brincadeiras. Longe das modernidades tecnológicas que povoam a vida de hoje, O Mistério do 5 Estrelas traz um suspense juvenil recheado da adrenalina que motivou muitos de nós na infância a sonhar. Quantos aí nunca sonharam ou brincaram de ser detetive, polícia e ladrão, ser o mocinho que frustra os planos do vilão? E quantos mistérios já não foram criados e solucionados na criatividade que só a imaginação infantil é capaz? São esses ingredientes que fazem a obra de Marcos Rey permanecer forte e encantadora décadas depois, mesmo em uma realidade de país totalmente diferente.

Na busca pela solução de um mistério, o protagonista Léo vai esbarrando em situações cotidianas, comuns e até problemáticas desse Brasilzão. A diferença de classes entre ele e a menina por quem é apaixonado, o ricaço que parece flutuar acima da lei e é respeitado justamente pelo dinheiro que possui, a polícia que desconfia do mais pobre, mas há também a solidariedade de vizinhos e amigos, as pessoas dispostas a correr riscos para ajudar o outro, a alegria sem fim e o otimismo, mesmo frente à dificuldade. No fundo O Mistério do 5 Estrelas camufla o cotidiano em uma aventura deliciosa.

Reeditando toda a obra de Marcos Rey, a editora Global traz dois presentes aos apaixonados por livros. Primeiro ao dar a oportunidade de mais pessoas desvendarem, e se viciarem, nesse mundo das letras, e segundo por permitir a leitores como eu se reencontrar com essas histórias e redescobrir o prazer que se esconde por trás de cada página de um livro.

Avaliação:

 

O Autor: Marcos Rey pseudônimo de Edmundo Donato, (São Paulo, 17 de fevereiro de 1925 — São Paulo, 1 de abril de 1999) foi um escritor e roteirista brasileiro. Marcos foi também redator de programas de televisão, adaptou os clássicos A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo em forma de telenovela e o Sítio do Pica-Pau Amarelo.

Marcos usava sua cidade natal, São Paulo, como cenário de várias de suas obras. O autor se dedicou principalmente às obras voltadas ao público juvenil. Escreveu crônicas, contos e se destacou escrevendo romances. Escreveu também várias obras literárias adultas. Durante os anos 1970, foi roteirista de diversos filmes do gênero pornochanchada produzidos na Boca do Lixo, em São Paulo, como As Cangaceiras Eróticas e O Inseto do Amor. No gênero ficção infantil estreou com Não Era Uma Vez, drama de um garoto à procura de sua cadela perdida nas ruas.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: O ódio que você semeia – Angie Thomas
Próximo artigoResenha: A Ilusão do Tempo – Andri Snaer Magnason
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta