Opinião: Nem só de terror vive o mestre do gênero. Quatro Estações, coletânea de contos, mostra uma outra faceta de Stephen King, voltada para dramas cotidianos em que a monstruosidade pode estar escondida em pequenos atos, dentro de nós mesmos ou ao nosso redor. A obra traz algumas das melhores narrativas de King e rendeu os mais que consagrados filmes Um Sonho de Liberdade, Conta Comigo e O Aprendiz.

A Primavera Eterna – Rita Hayworth e a Redenção de Shawshank

A história de abertura de Quatro Estações é uma ode à persistência. Condenado injustamente pelo assassinato da esposa, o banqueiro Andy Dufresne não abaixa a cabeça para as engrenagens do sistema. Num universo carcerário oprimido por interesses e abusos, e sem perspectivas, ele mantém acesa a chama da esperança e mostra que paciência e persistência são virtudes essenciais em determinadas situações. O conto é narrado por Red, o cara que consegue qualquer coisa dentro da prisão. Ele vai nos apresentando o funcionamento e a rotina diária de Shawshank ao mesmo tempo em que fala sobre sua relação de quase amizade com Andy.

O cenário do presídio construído por King é perfeito e já antecipa qualidades que mais tarde viriam a ser comprovadas em À Espera de Um Milagre. A narrativa flui num ótimo ritmo e chegamos a um final brilhante e surpreendente. Este conto rendeu o filme Um Sonho de Liberdade.

Verão da Corrupção – Aluno Inteligente

O mais longo dos contos, não tão elogiado pelos leitores, acabou sendo o meu preferido. Aluno Inteligente é daquelas histórias que vão crescendo a cada novo desenrolar dos fatos e desembocam numa sequência final perturbadora.

O garoto Todd é aficionado pelas histórias envolvendo o nazismo e seus campos de concentração. Ele passa a devorar livros e revistas sobre o assunto até o dia em que descobre que seu vizinho é um ex-oficial de Hitler, conhecido por sua extrema eficiência em matar. Todd confronta Dussander e a chantagem para não revelar sua identidade é ouvir detalhadamente absolutamente tudo sobre a rotina de morte do nazismo: como operavam os campos, como eram as mortes, os mecanismos, os testes, o sofrimento.

King nos leva para um passeio pela natureza sombria do homem e pelo que escondemos em nosso interior. A relação desenvolvida entre Todd e Dussander, cheia de reviravoltas, é envolvente e nos faz questionar onde estão os limites entre o simples conhecimento de algo e o sadismo e a loucura. Este conto foi adaptado para o filme O Aprendiz.

Outono da Inocência – O Corpo

Talvez seja a história mais famosa por ter gerado o filme Conta Comigo, um dos clássicos da Sessão da Tarde que embalou a infância de muita gente.

A jornada de um grupo de amigos para matar sua curiosidade em ver alguém morto parece um enredo simples, mas King a transforma num rito de passagem da infância. É o momento em que questionamentos aparecem e é preciso um mínimo de maturidade, mesmo ainda não sabendo o que é isso, para encara-los e responde-los. Uma história sobre como os laços de amizade se formam, fortalecem e enfraquecem, e como isso influencia no adulto que vamos nos tornar. Temos aqui mais uma prova da capacidade de Stephen King em construir excelentes e convincentes personagens infantis e, através deles, nos emocionar.

Inverno no Clube – O Método Respiratório

Única história com leves sugestões de sobrenatural, O Método Respiratório é a menos atraente das narrativas e deixa a impressão de que poderia ter sido mais desenvolvida.

Um grupo de homens se reúne numa espécie de clube para contar histórias macabras, e a história mais assustadora de todas é sempre reservada para ser contada na véspera do Natal. No conto, acompanhamos a narrativa de um médico cuja paciente grávida estava disposta a tudo para dar à luz em segurança. Tudo corre bem até a parte final que soa estranha e bizarra. Como disse, fiquei com a impressão de que faltou algo a mais. Talvez esse clube secreto tivesse mais coisas a nos mostrar e King simplesmente ignorou isso. Mesmo assim, o resultado não atrapalha o conjunto da obra de Quatro Estações, que é das melhores que o mestre do horror já produziu.

Curiosidades:

A cidade de Castle Rock, onde se passa o conto O Corpo, é cenário de diversos livros de Stephen King, entre eles Cujo e A Zona Morta

Em determinado momento do conto O Corpo, o narrador cita o caso envolvendo o cachorro de Joe Camber, já na parte final a Tia Evie Chalmers ajuda o garoto Gordon. Tanto Joe quanto Evie são personagens do livro Cujo.

Em Aluno Inteligente, Dussander conta a Todd que comprou ações com o aconselhamento de um banqueiro que depois acabou sendo preso pelo assassinato da esposa. Trata-se de Andy Dufresne, personagem do conto anterior, Rita Hayworth e a redenção de Shawshank.

Avaliação: 5 Estrelas

O Autor: Stephen King nasceu em 1947 em Bangor, no Maine. É autor de mais de cinquenta best-sellers no mundo inteiro e mais de 200 contos. Os mais recentes incluem Revival, Joyland, Escuridão Total sem Estrelas (vencedor dos prêmios Bram Stoker e British Fantasy), Doutor Sono, Sob a Redoma (que virou uma série de sucesso na TV) e Novembro de 63 (que entrou no TOP 10 dos melhores livros de 2011 pelo New York Times Book Review e ganhou o Los Angeles Times Book Prize na categoria Terror/Thriller e o Best Hardcover Novel Award da organização International Thriller Writers).

Stephen King recebeu em 2003 a medalha de Eminente Contribuição às Letras Americanas da National Book Foundation; em 2007 foi nomeado Grão-Mestre dos Escritores de Mistério dos Estados Unidos; e em 2015 recebeu do presidente Barack Obama a National Medal of Arts por “sua combinação de narrativa notável e análise precisa da natureza humana, com trabalhos de terror, suspense, ficção científica e fantasia que, por décadas, assustaram e encantaram públicos de todo o mundo”.

Ele mora em Bangor, no Maine, com a esposa, a escritora Tabitha King.

Deixe uma resposta