Sinopse Suma: O corpo de um menino de onze anos é encontrado abandonado no parque de Flint City, brutalmente assassinado. Testemunhas e impressões digitais apontam o criminoso como uma das figuras mais conhecidas da cidade — Terry Maitland, treinador da Liga Infantil de beisebol, professor de inglês, casado e pai de duas filhas. O detetive Ralph Anderson não hesita em ordenar uma prisão rápida e bastante pública, fazendo com que em pouco tempo toda a cidade saiba que o Treinador T é o principal suspeito do crime. Maitland tem um álibi, mas Anderson e o promotor público logo têm amostras de DNA para corroborar a acusação. O caso parece resolvido. Mas conforme a investigação se desenrola, a história se transforma em uma montanha-russa, cheia de tensão e suspense. Terry Maitland parece ser uma boa pessoa, mas será que isso não passa de uma máscara? (Resenha: Outsider – Stephen King)

Opinião: No período que muitos fãs consideram como “o auge de sua carreira”, Stephen King entregou aos leitores tramas em que situações cotidianas se desenvolviam até que um elemento sobrenatural entrava em cena e provocava uma reviravolta eletrizante. E entre altos e baixos, como é normal para qualquer escritor, os anos foram se sucedendo com obras que passaram a explorar outras possibilidades até chegarmos a Outsider, um livro que relembra em toda a sua construção a tal fase que citei no começo do parágrafo.

Outsider parte de uma situação corriqueira em tramas de suspense: a investigação de um estupro seguido de assassinato. Todos os elementos básicos para uma história como essa se fazem presentes em um estilo narrativo bem tranquilo e em uma das melhores construções de King nos últimos tempos. Temos, portanto, um suspense com um mistério bem amarrado e um culpado claro, apontado através de provas irrefutáveis. Ok, irrefutáveis até o elemento King entrar em cena. Sem pressa, Outsider vai envolvendo o leitor na elaboração de sua trama, e de forma natural dá uma guinada para o sobrenatural sem que percebamos de imediato. No fim, estamos diante de uma grande história com todas as características que tanto marcaram a carreira do autor.

A investigação de um crime comum se transforma na corrida para deter algo que ninguém sabe exatamente o que é, apenas que seu potencial destrutivo não tem fim. Temos, então, personagens levados ao extremo da razão para compreender, aceitar e deter esse mal. O resultado é uma excelente história, talvez um pouco extensa demais, mas que se segura bem e mantém a atenção dos leitores até o desfecho. Em certos pontos, o livro vai lembrar um pouco a trama desenvolvida em Desespero, e sua inspiração em uma lenda mexicana colabora ainda mais para isso. Aliás, aqui temos uma boa qualidade da obra. A partir de uma lenda, King mostra seu potencial de ir além e produzir uma grande história, que pode até ser apontada por alguns como fraca para os padrões do autor, mas que tem uma vivacidade e um DNA claros de quem está em plena forma.

A característica de manter suas histórias sempre bem antenadas com o mundo ao redor faz com que Stephen King traga o espetáculo midiático para a trama de Outsider. O show da prisão do acusado pelo assassinato com a sede de sangue da população e seu posterior desdobramento trágico mostra bem a atitude que, reflita, todos nós andamos apresentando diante de notícias tão reais quanto fakes. Atitudes que, salvo poucas exceções, ainda se mantém presas no online mundo das redes sociais, mas que têm todas as possibilidades de cada vez mais partirem para a realidade. Críticas pontuais e bem inseridas que colaboram para ampliar a qualidade do livro.

Ponto bem fora desse eixo de elogios, os personagens de Outsider são lineares demais. Mesmo com protagonistas bem definidos a partir de certo ponto do livro, a galeria que sustenta a trama é variada e acaba fazendo com que ninguém se destaque pra valer. Aqueles personagens de construção minuciosa, com conflitos internos e dramas pessoais, aos quais estamos acostumados, não aparecem de forma explícita na obra e em certo aspecto isso faz com que sintamos falta de alguém para torcermos, nos identificarmos ou simplesmente angariar nossa simpatia.

Entre leitores fiéis que vão curtir e outros tantos que vão odiar, classifico Outsider como um ótimo livro, com todas as características que me fizeram ter Stephen King como autor preferido. Se por um lado não temos uma história arrebatadora com um final surpreendente – embora finais fodásticos nunca tenham sido preocupação do autor, por outro temos uma trama envolvente e que se sustenta muito bem em seu argumento e defesa. Afinal, não é qualquer autor que consegue provar ser possível estar em dois lugares ao mesmo tempo.

Avaliação: 5 Estrelas

//

Do Autor leia também:

A Pequena Caixa de Gwendy

A Maldição

A Hora do Lobisomem

O Cemitério

Christine

Quatro Estações

O Concorrente

Cujo

Dança Macabra

A Autoestrada

A Incendiária

 ‘Salem

Creepshow

O Autor: Stephen King nasceu em 1947 em Bangor, no Maine. É autor de mais de cinquenta best-sellers no mundo inteiro e mais de 200 contos. Os mais recentes incluem Revival, Joyland, Escuridão Total sem Estrelas (vencedor dos prêmios Bram Stoker e British Fantasy), Doutor Sono, Sob a Redoma (que virou uma série de sucesso na TV) e Novembro de 63 (que entrou no TOP 10 dos melhores livros de 2011 pelo New York Times Book Review e ganhou o Los Angeles Times Book Prize na categoria Terror/Thriller e o Best Hardcover Novel Award da organização International Thriller Writers).

Stephen King recebeu em 2003 a medalha de Eminente Contribuição às Letras Americanas da National Book Foundation; em 2007 foi nomeado Grão-Mestre dos Escritores de Mistério dos Estados Unidos; e em 2015 recebeu do presidente Barack Obama a National Medal of Arts por “sua combinação de narrativa notável e análise precisa da natureza humana, com trabalhos de terror, suspense, ficção científica e fantasia que, por décadas, assustaram e encantaram públicos de todo o mundo”.

Ele mora em Bangor, no Maine, com a esposa, a escritora Tabitha King.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: Céu sem estrelas – Iris Figueiredo
Próximo artigoResenha: Quando a Bela domou a Fera – Eloisa James
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta