Resenha: Revivente – Ken Grimwood

0
845

Sinopse Editora Gutenberg:  

Jeff Winston é um jornalista de rádio de 43 anos, que está preso em um casamento fracassado e um emprego sem futuro. Ao sentir uma forte dor no peito, morre instantaneamente. Momentos depois, acorda em 1963, em seu quarto da época de faculdade, com 18 anos novamente, e lembrando-se perfeitamente de tudo o que aconteceu. Sem entender o que está ocorrendo, a única coisa que sabe são os fatos de sua vida e do mundo que se repetirão, inclusive o dia de sua morte. As dúvidas invadem sua mente: o que fazer dessa “nova” vida? Cometer os mesmo erros ou fazer tudo diferente? Deixar que os grandes desastres da história aconteçam ou tentar interferir? Nesta surpreendente e premiada obra, que foi inclusive inspiração para o filme “Feitiço do tempo” (Groundhog Day), é uma aventura emocionante que desafia os limites do tempo. (Resenha: Revivente – Ken Grimwood).

Opinião: 

O que você faria se tivesse a oportunidade de viver sua vida novamente?

Jeff Winston tem 43 anos e é um homem, baseado na análise de conjectura da atual sociedade mundial, depressivo. Tem uma esposa linda, um emprego bom, uma vida estável e com benefícios que o dinheiro proporciona, mas não se sente feliz e realizado. Em um telefonema no dia 18 de outubro dentro do seu carro, sofre um infarto e morre. O tempo volta e  ele acorda em 1963 no dia 18 de outubro.

O ponto a pé inicial do livro é sua morte e seu despertar agora com 18 anos de idade. Uma entrada fora do comum e intrigante que coloca o leitor e personagem em estado de dúvida sobre os acontecimentos. Jeff não sabe se é um sonho ou obra de sua imaginação. O fato é que, assim que vão se passando os dias, ele sabe que já viveu tudo aquilo e sua carta na manga é que ele tem total conhecimento dos próximos 25 anos da sua vida até a data de sua morte.

O interessante do livro e a grande sacada do autor são os replay. Neles, Jeff não teve apenas uma oportunidade de viver novamente e poder mudar algumas escolhas, é lhe oferecido reviver várias vezes sua vida e tudo começa na sua morte com 43 anos de idade.

A cada replay Jeff consegue exprimir os seus erros e acertos; e a partir dessa diagramação ele consegue explorar com eloquência e sabedoria suas oportunidades e busca entender porque a vida lhe “presenteou” com esse dom. Parece um tanto maçante acompanhar essa jornada várias e várias vezes… No entanto, a cada oportunidade conhecemos um Jeff diferente, mais maduro, com outros problemas e reflexões diversas.

A história consegue explorar a atenção do leitor inserindo elementos que a movimenta. A grande movimentação está quando Jeff conhece Pamela, uma mulher descrita como linda e inteligente, e que se encontra na mesma situação de Jeff. Ela consegue mexer emocionalmente com ele resultando em ótimas interferências em seus replay.

O livro não explora tanto as razões do tempo e em como ele nos influencia quando nos resolve dar uma oportunidade de viver tudo novamente. Mas busca discutir a ideia das oportunidade e o que fazer com elas e a reafirma que precisamos viver o agora.

Com uma leitura dinâmica e uma escrita inteligente Ken Grimwood entrega ao leitor uma obra de qualidade e desconcertante em relação aos nossos modos de olhar o mundo e o tempo. Leiam!

Avaliação: 

O Autor Ken Grimwood nasceu em 1944, em Dothan, Alabama. Formou-se em Psicologia em 1970 pela Bard College. Trabalhou durante muitos anos como jornalista de rádio e teve seus primeiros livros publicados. Em 1988, passou a se dedicar exclusivamente à escrita, ano em que lançou este livro, com o título original de Replay. Entre outras obras, é autor de Breakthrough, Two plus two e Into the deep. Morreu em 2003, aos 59 anos, de ataque cardíaco, em sua casa em Santa Barbara, na Califórnia, enquanto escrevia a continuação de Replay, nunca terminada.

Compartilhar
Artigo anteriorEditora Arqueiro | Conheça a série Conto de Fadas de Eloisa James
Próximo artigoResenha: A Magia do Silêncio – Kankyo Tannier
Goiano do pé rachado e comedor de piqui. Alucinado por histórias fantásticas e distópicos. Tributo, Hobbit de nascença, e habitante do país de Aslan. Entre os autores Suzanne Collins é majestade e Tolkien é imperador. Técnico em Química e buscando ser químico industrial intercalado com a vida de escritor, um dia qualquer publicará seu livro. Não dispensa um cinema...

Deixe uma resposta