Sinopse Intrínseca: James e Amélia têm dezessete anos. Em comum, além da idade, têm o fato de estarem um a fim do outro e de serem tomados pelo nervosismo quando James chama Amélia para sair. Mas tudo parece perfeito para um primeiro encontro: um passeio de canoa pelos lagos, levando um cooler cheio de sanduíches e cervejas. À medida que se aprofundam na exploração, os dois chegam a um lago escondido e encontram algo impressionante debaixo d’água. Um lugar perigosamente mágico: uma casa de dois andares com tudo que tem direito — móveis, um jardim, uma piscina e uma porta da frente, que está aberta. Enquanto, fascinados, vasculham o imóvel e tentam passar uma boa impressão para o outro, cresce o medo. Será que um local misterioso como aquele esconde alguém — ou algo — vivo? Uma coisa é certa: depois de mergulhar nos mistérios da casa no fundo do lago, a vida deles jamais voltará a ser a mesma. (Resenha: Uma Casa no Fundo de um Lago – Josh Malerman)

Opinião: Josh Malerman tem um talento absurdo para criar histórias envolventes. Sua escrita é ágil e ele tem um estilo de narração que fisga nossa curiosidade e faz com que cada capítulo atraia o próximo como um ímã. Caixa de Pássaros, sua obra de estreia, deixou isso bem claro e aguçou os leitores para próximos livros com sua assinatura. E logo na sequência, pelo menos nos Estados Unidos, veio Uma Casa no Fundo de um Lago, que se revelou uma completa decepção.

Os méritos de criação de Malerman estão presentes desde o começo. Fugindo de clichês, ele envolve o leitor em uma trama bem elaborada com cenas claustrofóbicas, personagens convincentes e aquele clima de que algo vai acontecer a qualquer momento. Em certas sequências, a história ganha contornos de que pode dar uma guinada fácil para o terror e nós mergulhamos nessa tensão. Só que quanto mais os protagonistas mergulham e nadam no mistério, menos o livro encontra um rumo. E tudo vai ficando repetitivo e cansativo. Mais de cem páginas de exploração depois a história chega a um desfecho brochante que corta o tesão de qualquer fã de suspense.

Talvez aí resida o que eu considerei como principal problema de Uma Casa no Fundo de um Lago. A obra foi apresentada aos leitores como um suspense, algo que, tirando algumas situações específicas, ela não é. Na verdade, trata-se de uma fábula para as descobertas do primeiro amor entre dois jovens adolescentes de dezessete anos. Em bom português, Malerman produziu um romancezinho água-com-açúcar bem ao estilo sessão da tarde. Há quem goste e há quem vá apontar incontáveis méritos e qualidades neste livro. Contudo, todos os que vierem a comprar na sede do bom suspense, vão acabar extremamente frustrados.

O sucesso da exploração dessa casa no fundo do lago vai depender do tipo de leitor que você é. Aos que buscam algo intrigante, vão encontrar uma boa construção e terminar com a sensação de que uma ótima ideia foi jogada no lixo em nome de sabe-se lá o que. Contudo se você for adepto de histórias mais melosas, pode ser que o conjunto te agrade. Ao final, o desfecho aberto não dá margem para nenhuma interpretação e o sentimento que vai ficar, independente de que leitor você é, será o de que desperdiçou algumas boas horas de sua vida com este livro.

Avaliação: 2 Estrelas

 

O Autor: Josh Malerman é um autor americano e o vocalista da banda de rock The High Strung. Atualmente vive em Ferndale, Michigan. Malerman primeiro começou a escrever enquanto na quinta série, onde ele começou a escrever sobre um cão que viaja no espaço. Desde então, ele já escreveu vários romances inéditos e seu romance de estreia Caixa de Pássaros foi publicado no Reino Unido e nos Estados Unidos em 2014 para muito aclamado pela crítica.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: A Última Travessia – Mats Strandberg
Próximo artigoBox traz Sherlock Holmes na visão de autores consagrados
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

10 COMENTÁRIOS

  1. Estava querendo pedir (sou apaixonada por dois livros dele – a caixa de pássaros e piano vermelho) e resolvi procurar alguma resenha para saber do que se tratava, ainda bem que fiz isso, não desistir de comprar, mas pelo menos vou ler sem grandes expectativas como estava tendo. Obrigado!

    • Jessica, leia e traga seu comentário aqui para trocarmos ideia. Reafirmo que a história não é ruim, porém foi vendida como um suspense e isso o livro não é. Muito me incomoda essa atitude das editoras que embalam seus livros com um véu totalmente diferente da realidade e acabam frustrando o leitor.

  2. eu li o livro, fiquei muito decepcionado com o final porem, fiz uma interpretação do livro, do conteúdo que o autor trouxe, e gostei muito do que li nesse livro… Talvez para que chame a atenção do leitor é tentar ver alem do que o autor talvez queria trazer, alem do que está escrito!

    • Ei Pedro, blza? Achei as metáforas usadas pelo autor para criar essa fábula de amor juvenil muito boas, contudo o que me frustrou foi o marketing que apresentou a obra algo similar aos demais suspenses do Josh. Minha frustração foi pegar um livro esperando algo (prometido pela editora) e encontrar algo totalmente diferente.

  3. Concordo plenamente com a sua resenha, fiquei boa parte do livro presa na história e esperando um final espetacular. Quando vi que faltavam pouquíssimas páginas para o final e que nada de surpreendente havia acontecido (nem daria para acontecer), já me decepcionei antes mesmo de acabar a leitura. Quando chegou ao final a palavra “brochei” defini completamente o sentimento daquele momento. Uma pena. Mas espero que assim como Caixa de Pássaros a mensagem que eu tenha entendido seja realmente oq Malerman quis nos passar. Abçs.

    • Rafaela, eu reconheço muitos méritos no livro, mas eu comprei uma obra de suspense com ares de terror (segundo o marketing da Intrínseca) e aí não teve como não se frustrar com o rumo totalmente diferente que o autor conferiu para a história.

  4. Terminei de ler o livro agora, fiquei presa na historia, na expectativa de que algo iria acontecer, ja li caixa de pássaros e fui na expectativa de ser o mesmo estilo
    E quando chego no final, decepçao define oque estou sentindo 😐, os livros dele deixam um ?, mais esse deixou varios ?????????, termina sem mais nem menos e fica por isso mesmo 😐

    • Ei Grazi, super te entendo haha. Infelizmente “Uma Casa…” foi vendido como sendo mais um suspense com ares de terror, como os dois anteriores dele, mas na verdade esse livro é uma grande fábula com misteriozinho, mas mais drama que suspense. Isso acaba frustrando os leitores, como vc e eu, porque compramos esperando algo e a realidade era outra. Ainda mantenho minha admiração pelo Josh, mas a editora vacilou na forma como vendeu esse livro.

Deixe uma resposta