Sinopse Editora Seguinte: No aguardado desfecho da série A Rainha Vermelha, descubra qual poder sairá vencedor depois que a tempestade de guerra passar. Mare Barrow aprendeu rápido que, para vencer, é preciso pagar um preço muito alto. Depois da traição de Cal, ela se esforça para proteger seu coração e continuar a lutar junto aos rebeldes pela liberdade de todos os vermelhos e sanguenovos de Norta. A jovem fará de tudo para derrubar o governo de uma vez por todas — começando pela coroa de Maven. Mas nenhuma guerra pode ser vencida sem ajuda, e logo Mare se vê obrigada a se unir ao garoto que partiu seu coração para derrotar aquele que quase a destruiu. Cal tem aliados prateados poderosos que, somados à Guarda Escarlate, se tornam uma força imbatível. Por outro lado, Maven é guiado por uma obsessão profunda e fará qualquer coisa para ter Mare de volta, nem que tenha que passar por cima de tudo — e todos — no caminho. (Resenha: Tempestade De Guerra – Victoria Aveyard)

Opinião: O desfecho de uma saga sempre é bastante aguardado pelos leitores, é no grande final que o leitor é levado a se despedir dos personagens, do universo criado, da história e de vislumbrar como é que poderia ser a vida daqueles personagens após todos os episódios lidos.

Victoria Aveyard autora da saga A Rainha Vermelha, buscou no final da história de Mare trazer à tona os princípios que fundamentou a guerra entre vermelhos e prateados e que foi despertada com a presença de sangue novos.

Em uma análise, sem a presença de todo poder fantástico dos personagens e do mundo imaginário, a história de Mare e toda sua luta para ascender vermelhos e sangue novos é algo já muito velho e presente no nosso universo real.

Nos EUA como é de conhecimento histórico de todos, por muito tempo houve a segregação racial, onde brancos e negros viviam separados e suas relações eram estritamente funcionais.

Durante toda a saga é visível a segregação entre prateados e vermelhos, a soberania dos prateados poderosos sobre os frágeis vermelhos. Porém, tudo gera uma dúvida, um questionamento e uma revolução. Vermelhos cultivaram sentimentos de ascensão, de acabar com a desigualdade e o direito a igualdade.

Tempestade de Guerra discute a ideia de democracia, de monarquia, de igualdade e de conviver em sociedade mesmo tendo diferenças. Sejam de raça, de cor, de poder… O romance entre Mare e Cal é conflituoso e cheios de ressentimentos. Eles vivem com a dúvida e mesmo quando acreditam que estão passando por cima de tudo, o sangue de cada um os puxa de volta e existe uma regressão fatídica.

O capítulo final tem falhas, prolonga-se em discussões enfadonhas e que não acrescenta muito a história. No entanto, o livro possui uma narrativa fluida e que prende o leitor questionando-o sobre os temas levantados. A história ganha mais força e corpo com a iminência da guerra.

Os personagens estão muito mais dramáticos, pesados e cheios de conflitos. Precisam lidar com uma batalha iminente onde somente um sairá vencedor. Eles carregam o terror do que já passaram, das vitórias e perdas; e tentam lidar com a possibilidade de uma derrota e buscam soluções para ganhar.

Um livro de fantasia acolhedor, cheio de magia e carregado de amor. Leiam!

Avaliação:

A autora Victoria Aveyard cresceu em Massachusetts e frequentou a Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles. Formou-se como roteirista e tenta combinar seu amor por história, explosões e heroínas fortes na sua escrita. Seus hobbies incluem a tarefa impossível de prever o que vai acontecer em As Crônicas de Gelo e Fogo, viajar e assistir a Netflix.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: O Segredo de Helena – Lucinda Riley
Próximo artigoKhaled Hosseini
Goiano do pé rachado e comedor de piqui. Alucinado por histórias fantásticas e distópicos. Tributo, Hobbit de nascença, e habitante do país de Aslan. Entre os autores Suzanne Collins é majestade e Tolkien é imperador. Técnico em Química e buscando ser químico industrial intercalado com a vida de escritor, um dia qualquer publicará seu livro. Não dispensa um cinema...

Deixe uma resposta