Resenha: A Garota Alemã – Armando Lucas Correa

0
1348
Resenha: A Garota Alemã - Armando Lucas Correa

Sinopse Editora Jangada: Baseado numa história real, A Garota Alemã é um romance magistral. A bordo do famoso transatlântico St. Louis, uma garota de 11 anos e 936 refugiados judeus fogem da Alemanha Nazista. Berlim, 1939. Hannah Rosenthal, de 11 anos, tinha uma vida de contos de fadas. Ela passava as tardes no parque com seu melhor amigo, Leo Martin. Mas, agora, as ruas estão cheias de nazistas. Eles vislumbram uma esperança para sair desse inferno: o St. Louis, um transatlântico que pode propiciar aos judeus uma travessia segura para Cuba. Mas logo as circunstâncias da guerra mudam e o navio que era sua salvação agora parece ser a sua sentença de morte. Nova York, 2014. Anna Rosen, ao fazer 12 anos, recebe um envelope misterioso de Hannah, uma tia-avó que criou o pai falecido. O conteúdo do envelope inspira Anna e a mãe a viajarem a Cuba para conhecer Hannah e descobrir a verdade sobre o trágico passado da família. (Resenha: A Garota Alemã – Armando Lucas Correa).

Opinião: O cenário é um dos mais sombrios da história da humanidade. Baseado em fatos reais, embarcamos numa aventura dramática no navio St. Louis que, em 1939, às portas da 2ª Guerra Mundial, atravessou o oceano com 937 refugiados judeus a caminho de Cuba, deixando para trás toda história construída ao longo de anos em sua terra natal. A viagem, que deveria ser a esperança de uma nova vida, acaba se tornando o pesadelo de um futuro cinzento, sem amparo, onde o mundo já demonstrava que fecharia os olhos nos anos seguintes ao que conhecemos hoje como Holocausto. O livro já valeria todas as menções de aplausos por contar, de forma tão emotiva, tudo que se passou dentro do St. Louis. Porém, seu autor, nos brinda com a dramática história da família Rosenthal.

Sejam bem vindos A Garota Alemã, o livro da brilhante estreia do autor Armando Lucas Correa que vai tocar o seu coração.

Na história conhecemos Hannah, uma jovem prestes a completar seus 12 anos, que vive, junto a seus familiares, o medo da perseguição nazista em meados de 1939. De linhagem rica, Hannah vê todo o seu castelo desmoronar quando o estado toma os bens de sua família, seu pai, um respeitado acadêmico, é expulso de seu emprego e a menina começa a sentir na pela o fato de ser perseguida nos corredores do prédio que são donos e nas ruas de Berlim, onde são apontados como sujos, nojentos e indesejáveis. Por outro lado, já em 2014, o livro nos apresenta Anna, uma jovem que vive com sua mãe em Nova Iorque após perder o pai, quando ainda estava na barriga da mãe, em outra tragédia. Ambas são mais conectadas do que imaginam e embarcam numa aventura de auto descoberta, perdão e libertação.

Sem dúvida alguma essa é uma das histórias que mais me tocaram nesse último ano. O leitor tem a oportunidade de ver a cada frase lida todo o cuidado que o autor teve ao criar sua história e seus personagens, mesclando, em alguns momentos, personagens reais que foram fundamentais para que tudo acontecesse. Dividido em quatro partes, o livro é instigante e dificilmente o leitor perderá o interesse em algum momento. Muito bem elaborado, a cada capítulo vivemos entre a história de Hannah em 1939 e Anna em 2014, caminhando de forma a cruzarem o mesmo caminho.

Além disso, vale o destaque para todo o trabalho de pesquisa realizado para compor o pano de fundo desse enredo. Pouco conhecida, eu particularmente ainda não tinha lido a respeito, a história do navio St. Louis, que embarcou de Berlim com destino a Cuba, foi uma das grandes responsáveis pela declaração de guerra Alemã, em 1939, a países como França, Bélgica e Inglaterra.

Outro ponto que chama a atenção, já a bordo do navio, seguindo a escrita doce do autor, é possível sentir cada sentimento nas páginas do livro. Do embarque dramático, a orquestra tocando a cada jantar, crianças correndo pelo convés, as mensagens de terra que chegavam a auto mar, mudando toda a atmosfera de esperança em uma cenário sem perspectiva de futuro. O autor consegue, de forma espetacularmente brilhante, transmitir cada momento, como se nos transportasse literalmente para dentro da sua história.

A Garota Alemã é um livro tocante, dramático, marcante e extremamente profundo. Para os apaixonados por uma boa história, uma escrita impecável, é a leitura obrigatória desse ano. Deixar de ler não é uma opção para quem é fã de histórias que se passem em meio à Grande Guerra. Armando Correa, autor cubano, nos brinda com uma reflexão aos nossos próprios erros enquanto sociedade e como as atitudes podem marcar a vida de gerações e gerações que sofrerão com as feridas causadas diretamente na alma de seus antepassados.

Avaliação: 5 Estrelas (Com Louvor).

Sobre o autor: Armando Lucas Correa é jornalista premiado, autor e editor-chefe da People en espanõl, a revista hispânica mais vendida nos Estados Unidos. Também é editor da revista cubana Tablas, sobre dança e teatro. Ele já recebeu vários prêmios da Associação Nacional de Publicações Hispânicas e da Sociedade de Jornalismo Profissional. Correa é o principal porta-voz da revista e aparece regularmente em programas de TV americanos. A Garota Alemã é seu livro de estreia.

Clique aqui para comprar o livro.

Deixe uma resposta