Sinopse Record: O detetive Harry Hole chega a abafada Bangcoc. Sua missão: evitar um escândalo. O embaixador norueguês foi encontrado morto em um hotel barato, e aparentemente a família dele está escondendo algo importante. Harry, além de preservar o sigilo das investigações, percorre bares, templos budistas e casas de ópio em busca das peças desse quebra-cabeça, mas aparentemente ninguém quer saber de fato o que aconteceu. Quando o detetive põe as mãos em um vídeo bombástico de circuito interno de TV, as coisas se complicam. O homem que lhe entrega a fita desaparece, e outro diplomata é apunhalado. O policial logo descobre que grandes políticos podem ter segredos aterradores, e, à medida que se aproxima da verdade, aumenta o risco de ele se tornar a próxima vítima. (Resenha: Baratas – Jo Nesbo)

Opinião: Segundo livro de Jo Nesbø protagonizado pelo detetive Harry Hole, Baratas foi publicado originalmente em 1998, e incrivelmente decai de forma considerável de qualidade em comparação com a obra anterior, O Morcego.

Em Baratas, cujo motivo para este título não ficou nem um pouco claro pra mim, Harry Hole é enviado para Bangkok. Repetindo o mote do livro um, Harry se une às autoridades locais para investigar um assassinato. Dessa vez, porém, o mistério se encontra nos altos escalões do governo, com a vítima sendo o embaixador norueguês no país. Apesar de soar interessante, essa trama é extremamente arrastada, chegando a passagens muito chatas e que facilmente perdem a nossa atenção. A história é linear demais e a investigação não tem nenhum momento de surpresa ou reviravoltas que a tirem da letargia. É preciso exercitar demais a força de vontade para prosseguir na leitura e não abandonar o livro.

A obra chega a flertar com o tema da pedofilia, mas faz isso de forma bastante velada, o que acaba frustrando um pouco, pois poderia render mais movimentação e ação. Sei que é um tema tabu e polêmico, mas ele já rendeu excelentes thrillers, como A Viúva, por exemplo. Mas também entendo que pela época em que Baratas foi escrito, o grau de tabu era bem maior do que atualmente.

O protagonista Harry Hole se mantém bem construído em todos os seus dramas de vida que nós já conhecemos. Mesmo assim, achei ele menos atraente enquanto personagem principal, se compararmos com o livro anterior.

Fica nítido o porquê da editora Record ter optado por traduzir a obra de Jo Nesbø fora da ordem original de publicação. Os livros iniciais se mostram bem fracos para conquistar fãs, logo a editora sabiamente investiu primeiro nos títulos de mais qualidade. Em breve chegarei a eles. Por hora, Baratas não foi uma leitura prazerosa e me consumiu muito mais tempo do que o habitual para um livro de cerca de 350 páginas. Gostaria de ouvir opiniões diferentes da minha, mas definitivamente este é um livro que eu não recomendo.

Avaliação: 2 Estrelas

O Autor: Jo Nesbø escritor e músico norueguês premiado pelo Edgar Award. Formou-se na Escola Norueguesa de Economia e Administração de Empresas com uma licenciatura em Economia. Nesbø é célebre sobretudo por seus romances de crime sobre o detetive Harry Hole, mas ele é também o principal vocalista e compositor da banda de rock norueguês Di Derre. Seus livros venderam mais de um milhão e meio de cópias na Noruega e sua obra foi traduzida para mais de quarenta línguas.

Em 2009, foi agraciado pelo prêmio de reconhecimento pelo público da revista Dagbladet ao ter três de seus livros estado no topo da lista de livros mais vendidos na Noruega. Ele também escreveu uma série de livros infantis sob o título Doktor Proktors prompepulver.

Origem - Dan Brown - Editora Arqueiro
Compartilhar
Artigo anteriorResenha: Como agarrar uma herdeira – Julia Quinn
Próximo artigoResenha: Segredo de Sangue – Tess Gerritsen
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta