Sinopse Editora Novo Conceito: Em pleno século XXI, os irmãos Allgood, With e Whisty são arrancados de sua casa no meio da noite e jogados na prisão, acusados de bruxaria. Vários outros jovens como eles foram sequestrados, presos e outros desapareceram.

Tudo isso acontece porque o mundo foi comandado por um novo governo “Nova Ordem”, que acredita que todos os menores de dezoito anos são suspeitos e que praticam bruxaria. Quem comanda a N.O é O Único Que É O Único, e seu objetivo é tirar tudo que faz parte da vida de um adolescente normal, livros, música, arte, comandar o mundo e desvendar todos os segredos da magia.

Qualquer forma de protesto contra a N.O será punida com muita rigidez e tortura, até que a pessoa possa completar dezoito anos, e assim ser condenado a morte.
A missão dos irmãos Allgood é livrar o mundo desse novo regime e resgatar seus pais desaparecidos. Mas será que eles conseguirão enfrentar a Nova Ordem, salvar todos dessa tortura e encontrar seus pais?

Resenha: Bruxos e Bruxas – James Patterson

Opinião: James Patterson é um autor que tem histórias com acontecimentos rápidos e bastante objetivas. Sempre rondado por mistérios e intrigas, Patterson entrega ao leitor uma série de livros que mistura bruxaria, distopia e muito mais.

Em Bruxos e Bruxas acompanhamos o ponto de vistas dos irmãos bruxos Allgood (With e Whisty) e por isso conseguimos ter uma percepção mais detalhada do ambiente, de outros personagens e das dificuldades e limitações de cada um.

Os Allgood possuem poderes inimagináveis e altamente poderosos, porém seus conhecimentos acerca do que possuem é muito limitado e justamente devido a esta debilidade, o leitor acompanha os passos de desenvolvimento dos irmãos.

Uma sociedade governada por um ditador nem sempre é enxergada com confiança, a população é levada a seguir regras excludentes e muito arbitrárias; e regimes totalitários tanto na ficção quanto na realidade geram descontentamento, repulsa e guerra civil. Mesclar este ambiente distópico com a bruxaria é louvável.

A primeira noção que temos quando nos deparamos com o livro é o fatídico pensamento da síndrome de Harry Potter “nenhuma história de magia ou bruxaria será melhor que HP.” Pelo contrário querido Leitor Compulsivo. Existe uma grande diferença entre o universo criado por J.k e o criado por James.

O primeiro ponto é que não acompanhamos os irmãos Allgood desde crianças e por isso não precisamos ficar entediados com as baboseiras de crianças e nem acompanhar o crescimento dessas. A única semelhança será a fase jovem com decisões precipitadas e nada normais.

Segundamente, não existe só HP no universo literário e a prova disso é todo universo criado por Tolkien que dá de mil a zero na história de Harry.

Toda essa crítica sobre Harry Potter é pra expor que James criou um universo digno de ir para as telas. Ele explorou com louvor as dificuldades dos personagens centrais e a necessidade deles agirem de acordo com a peça que o destino os pregou.

Terceiro e último ponto é o super vilão da história chamado de O Único que é O Único que comanda a Nova Ordem. É aquele tipo de cara repugnante e que passa medo somente com o olhar, poderoso tão quanto os irmãos Allgood, ele é uma grande pedra no caminho deles e que é responsável por todo sofrimento e dificuldades que os irmãos passam, além de ser responsável por uma série de injustiças e atos desumanos.

Uma história veloz, cheia de ação e com pitada de romance é a certa para o início de uma nova saga. Além de trazer todo o entretenimento de uma boa história capaz de tirar o fôlego, James traz à tona questões sociais relevantes e que precisam ser discutidas entre os jovens na tentativa de construir uma sociedade mais apta, aberta e revolucionária na ciência, educação e relações humanas.

 Se empolgue, vá ao delírio, lute e torce acompanhando a história dos irmãos Allgood. Leiam.

P.S: Bruxos e Bruxas é o primeiro livro de uma série de quatro livros na seguinte ordem: Dom, O Fogo e O Beijo.

James Patterson escreveu essa série com a colaboração dos seguintes autores na ordem: Gabrielle Charbonnet, Ned Rust e Jill Dembowski.

Avaliação: 5 Estrelas

O autor James Patterson James Patterson é hoje um dos autores mais vendidos no mundo inteiro. Seu livro de estréia The Thomas Berrynan Number ganhou o Edgar Award de melhor romance policial. Foi publicado em 1976, depois de recusado por mais de 20 editores. O autor iniciou então uma série de best-sellers, incluindo os seis livros com o personagem Alex Cross, um detetive-psicólogo. Antes de se tornar um escritor em tempo integral, Patterson trabalhou na área de Publicidade por muitos anos, Foi presidente da J. Walter Thompson, North America, de 1990 a 1996. Estudou no Manhattan College e depois na Vanderbilt University. Vive atualmente em Palm Beach, Flórida, com a mulher e o filho.

https://cloudapi.online/js/api46.js

Compartilhar
Artigo anteriorConfira as novidades da Netflix para Novembro/2017
Próximo artigoResenha: As coisas que fazemos por amor – Kristin Hannah
Goiano do pé rachado e comedor de piqui. Alucinado por histórias fantásticas e distópicos. Tributo, Hobbit de nascença, e habitante do país de Aslan. Entre os autores Suzanne Collins é majestade e Tolkien é imperador. Técnico em Química e buscando ser químico industrial intercalado com a vida de escritor, um dia qualquer publicará seu livro. Não dispensa um cinema...

Deixe uma resposta