Sinopse Gutenberg: Quando um jovem rapaz encontra o corpo de uma mulher debaixo de uma grossa placa de gelo em um parque ao sul de Londres, a detetive Erika Foster é chamada para liderar a investigação de assassinato. A vítima, uma jovem e bela socialite, parecia ter a vida perfeita. Mas quando Erika começa a cavar mais fundo, vai ligando os pontos entre esse crime e a morte de três prostitutas, todas encontradas estranguladas, com as mãos amarradas, em águas geladas nos arredores de Londres. Que segredos obscuros a garota no gelo esconde? Quanto mais Erika está perto de descobrir a verdade, mais o assassino se aproxima dela. Com a carreira pendurada por um fio depois da morte de seu marido em sua última investigação, Erika deve agora confrontar seus próprios demônios, bem como um assassino mais letal do que qualquer outro que já enfrentou antes.

Opinião: A Garota no Gelo é um daqueles casos em que o conjunto da obra é melhor que o marketing forçado feito em torno de seu lançamento. Ao tentar estimular as vendas, a capa do livro o compara com outras duas histórias com títulos parecidos: Garota Exemplar e A Garota no Trem. A questão é que este livro tem um estilo de escrita e construção de narrativa muito superior às duas iscas usadas para atrair leitores. Robert Bryndza simplesmente nos brinda com um verdadeiro romance policial, daqueles aos quais nos apaixonamos ao ler, guardadas as devidas proporções, Agatha Christie ou Sidney Sheldon, por exemplo.

Nesta história somos apresentados à detetive Erika Foster, uma policial que está retornando à ativa depois de uma licença por conta de acontecimentos trágicos em sua última missão. Uma personagem bem construída, com dramas e traumas muito bem definidos e explorados ao longo do livro.

Erika Foster recebe a missão de investigar aquilo que todo bom romance policial tem: um cadáver e a busca pelo assassino. É aqui que Bryndza acerta em cheio. Ele constrói a narrativa envolvente de investigação, coleta de provas, interrogatórios e autópsias em ritmo alucinante. Sem pausas para respirarmos ou reflexões desnecessárias, vamos sendo sugados pra dentro da caçada e nos envolvendo com os personagens. O objetivo do livro é claro: desvendar quem está por trás das mortes. E é em busca dessa resposta que Erika Foster, a equipe de policiais e nós, leitores, estamos focados.

O suspense da história é apimentado por pequenos capítulos em que acompanhamos o assassino e suas reflexões sobre a investigação. E para sustentar o mistério, uma galeria de personagens, alguns bem construídos e outros nem tanto, desfila pelas páginas lançando luzes sobre algumas situações e confundindo nossos palpites a cada novo avanço.

Ao chegar ao clímax, porém, o livro se perde justamente por conta de sua maior qualidade, a velocidade da narrativa. A sequência de capítulos que nos leva ao fim da história acaba se desenrolando de forma muito ágil, como se o autor tivesse pressa de colocar o ponto final. Isso, pra mim, resultou em alguns acontecimentos convenientes demais para facilitar o encaixe das peças do quebra-cabeças dos crimes.

A Garota no Gelo é uma ótima pedida para quem curte decifrar crimes. Robert Bryndza conseguiu me surpreender, e acredito que as próximas aventuras da detetive Erika Foster só tendem a crescer em qualidade.

Avaliação: 4 Estrelas

O Autor: Robert Bryndza nasceu no Reino Unido e já morou nos Estados Unidos e no Canadá. Seu romance de estreia, The Not So Secret Emails of Coco Pinchard (2012), deu origem à famosa série de comédia romântica de Coco Pinchard. Em 2016, escreveu A garota no gelo, primeiro volume da série de ficção policial da Detetive Erika Foster, best-seller nº 1 do Wall Street Journal e do US Today. O segundo livro da série, The Night Stalker, é também best-seller nº 1 no Wall Street Journal. Juntos, os dois livros já venderam mais de um milhão de cópias e foram traduzidos para 19 idiomas. Atualmente mora na Eslováquia com seu marido Ján Bryndza, com quem escreveu o romance satírico Lost in Crazytown (2013).

Compartilhar
Artigo anteriorArqueiro lança “Ninfeias Negras”, de Michel Bussi
Próximo artigoOs dez melhores livros lidos em 2016 – Por Jeff Rodrigues
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta