Resenha: EntreMundos – Neil Gaiman, Michael Reaves

0
967

Sinopse Rocco Jovens Leitores:  

Primeiro de uma trilogia de sucesso assinada a quatro mãos por Neil Gaiman e Michael Reaves, roteirista de TV premiado, EntreMundos leva o leitor a viajar por várias dimensões na companhia de Joey Harker, um garoto comum que durante um inusitado teste de localização proposto pelo professor de Estudos Sociais, descobre ser um Andador, alguém capaz de deslocar-se de uma dimensão para outra. Enquanto tenta entender onde está e o que significa sua nova condição, Joey percebe que aquele é o começo de uma nova vida e de uma grande aventura em que magia e ciência se unem para garantir a paz em vários mundos. (Resenha: EntreMundos – Neil Gaiman, Michael Reaves).

Opinião: 

A leitura desse livro veio em um momento justo onde a aflição de estar lendo distopias iguais tomavam conta do meu dia a dia de leitor. Quando se desgasta com leituras iguais, o prazer se torna um fardo pesado de carregar; e deixando todo esse drama de lado, EntreMundos é aquele tipo de livro que a gente solta um suspiro e fala: Uauuuu!

Na trama acompanhamos um adolecente americano, de uma pequena cidade americana em uma escola juvenil americana. Até aqui, parece ser tudo do mesmo e sem nenhuma surpresa. O que de fato faz a história ser chamativa é o misterioso professor de Estudos Sociais que nele cerca algum tipo de segredo que não foi revelado nesse primeiro livro. A estranha aproximação dele com Joey Harker da a entender que algo extraordinário vai acontecer; e de fato acontece.

Sem muitas delongas, os autores, colocam Joey em uma situação totalmente estranha. A descoberta de que ele é um Andarilho ou Andador é cheia explosão, corre corre, dúvidas e drama. O ponto extra vai para o drama. Ao pensar que está em sua cidade, ele vai até a sua hipotética casa e lá ele descobre uma familia hipotética em que ele não existe. Essa dolorosa revelação desencadeiam eventos descontrolados, além de toda dor que Joey está sentindo.

O leitor é levado então a acompanhar Joey em suas aventuras por vários mundos sem dar muitas explicações porque aquilo está acontecendo, cabe ao leitor (foi o que senti), conseguir entender o porque de tudo aquilo. O que sabemos de fato é que Joey é um andarilho e que nestes vários mundos que ele “anda” vários são os seus eu na mesma situação, é até legal tentar entender quem é o verdadeiro, não sei se assim posso dizer.

Seguindo na linha do bem e do mal temos os Binários e a BRUX, inimigos poderosos que querem Joey e toda sua trupe de Andarilhos mortos e ter o controle sobre o Antivesrso. É muito interessante falar sobre os antagonistas, pois, os autores construíram eles delineardamente com o decorrer da história. Ou seja, os motivos que os levaram a serem antagonistas não foram simplesmente gerados a partir de uma vingança, mas sim, a partir de visões do que é o Antiverso e como ele deve ser organizado. E os Andarilhos, treinados na Cidade-Base são os soldados que lutam contra essa forma de pensamento.

Um dos pontos altos do livro, é quando Joey retorna a terra após uma mal sucedida missão, e ele tem de lidar com o mistério de ter sumido do seu tempo real por quase um dia. O que claramente, causam transtornos ao professor e toda sociedade. No entanto, o que de fato chama atenção, é quando ele decide voltar para concertar o seu erro e proteger o Antiverso, e nisso ele tem um diálogo profundo sobre família e o poder dessa instituição com sua mãe.

EntreMundos é um livro genial em todo o seu conjunto. Os autores conseguiram com maestria transmitir sua mensagem e entreter ao mesmo tempo. Do início ao fim, o leitor é preso pelas páginas que discorrem a jornada de Joey e facilmente consegue entender todo ar de ficção ciéntifica presente. E o melhor nem é o final e sim os agradecimentos. Leiam!

Avaliação: 4,5 estrelas 

O Autor Neil Gaiman nasceu em 1960, na cidade de Portchester, Inglaterra. Desde pequeno, demonstrou sua ligação com os quadrinhos. Seu trabalho mais conhecido é “Sandman”, que o imortalizou entre os fãs de HQs. Por 75 números, Gaiman e “Sandman” foram se tornando cada vez mais famosos. A série tornou-se o carro-chefe do selo Vertigo, destinado a um público geralmente adulto que não queria mais saber de super-heróis. O autor ganhou reconhecimento da crítica ao receber prêmios ao redor do mundo, entre eles o prestigiado World Fantasy Award, geralmente concedidos apenas a obras em prosa.

Entre outros vários trabalhos com HQs, romances e roteiros, Gaiman publicou os livros “Coraline”, “Deuses Americanos” e “O Livro do Cemitério”.

O Autor Michael Reaves é um escritor estadunidense, conhecido por suas contribuições como produtor e editor de histórias de várias séries de desenhos, incluindo Gargoyles e Batman: The Animated Series. Ele também é autor de séries de livros, contos, e ficção original. Frequentemente trabalha com Steve Perry.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: Espere Agora pelo Ano Passado – Philip K. Dick
Próximo artigoResenha: Justiça a Qualquer Preço – John Grisham
Goiano do pé rachado e comedor de piqui. Alucinado por histórias fantásticas e distópicos. Tributo, Hobbit de nascença, e habitante do país de Aslan. Entre os autores Suzanne Collins é majestade e Tolkien é imperador. Técnico em Química e buscando ser químico industrial intercalado com a vida de escritor, um dia qualquer publicará seu livro. Não dispensa um cinema...

Deixe uma resposta