Sinopse DarkSide: Hellraiser – Renascido do Inferno apresentou ao público os demoníacos Cenobitas, personagens criados por Clive Barker que hoje figuram no seleto grupo de vilões ícones da cultura pop como Jason, Leatherface ou Darth Vader. Toda a perversidade desses torturadores eternos está presente em detalhes que estimulam a imaginação dos leitores e superam, de longe, o horror do cinema. De leitura rápida e devastadora, Hellraiser – Renascido do Inferno conta a história de um homem obcecado por prazeres pouco convencionais que é tragado para o inferno.

Opinião: Clive Barker, tal qual outros mestres do gênero, dispensa apresentações, mas passou um tempo sendo tratado sem a devida importância pelas editoras brasileiras. Com a fundação da DarkSide o jogo virou e duas obras suas já ganharam belíssimas edições nacionais. Hellraiser: Renascido do Inferno, foi publicado em 1986 e originou o cultuado filme de mesmo nome dirigido pelo próprio Barker. As 150 páginas da obra fluem em ritmo avassalador e tragam o leitor para uma história alucinante de desespero e desejo, sadismo e horror.

Hellraiser nos apresenta Frank, um sujeito sedento por viver novas experiências e desbravar os prazeres do mundo. A dificuldade estava em encontrar algo que realmente se mostrasse novo o bastante para envolve-lo. Até o dia em que ele consegue pôr as mãos na lendária caixa de Lemarchand, algo semelhante a um cubo mágico que, quando montada, abre as portas para prazeres inimagináveis. Neste caso, ela se abria para o mundo da Ordem de Gash, habitado pelos Cenobitas, pessoas (ou criaturas?) que sentem prazer na dor, na mutilação, na deformação do corpo. Falar mais que isso é entregar a história.

De leitura rápida, Hellraiser é um livro de imagens fortes onde não há meias palavras para toda a perversão, sadismo e sofrimento vivenciados até o limite pelos personagens. Ironicamente, é o amor o sentimento que acaba levando a todo esse horror, porque no fundo ele é que motiva boa parte das ações de cada personagem.

Como a obra foi escrita de forma a ser transformada em filme, não temos grandes detalhamentos ou desenvolvimentos minuciosos da história. A trama é despejada de uma tacada só e, em certo aspecto, isso contribui muito para o horror que ela contém. Se você tiver estômago e tesão suficientes, embarque nessa loucura e seja bem-vindo ao inferno.

Ps.: A edição da DarkSide em capa dura numa imitação de couro com a reprodução da caixa de Lemarchand vista de cima é de encher os olhos. A diagramação interna também foi minuciosamente pensada para deixar os fãs malucos, incluindo as imagens do Pinhead nas páginas finais. O ponto negativo fica para a falta de uma boa revisão de texto que deixou passar erros gritantes de tradução e gramática.

Avaliação: 4 Estrelas

O Autor: Clive Barker nasceu em Liverpool em 1952. Escreveu mais de vinte best-sellers de terror, incluindo Imajica, Livros de Sangue e a série de livros infantis Abarat. Produtor, roteirista e diretor de cinema, é o criador por trás das franquias Hellraiser e Candyman. O filme O Último Trem é baseado em um de seus contos. Dirigiu o videoclipe “Hellraiser”, do Motörhead. Desenvolveu os games Undying e Clive Barker’s Jericho.

Compartilhar
Artigo anteriorConfira as estreias da semana nos cinemas – 13/07
Próximo artigoMorre George Romero, diretor de “A noite dos mortos-vivos”
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta