Sinopse Editora Seguinte :Duas irmãs lutam para mudar o próprio destino no primeiro volume de uma série de fantasia repleta de romance, ação e intrigas políticas. Em Viridia, as mulheres não têm direitos. Em vez de rainhas, os governantes escolhem periodicamente três graças — jovens que viveriam ao seu dispor. Serina Tessaro treinou a vida inteira para se tornar uma graça, mas é Nomi, sua irmã mais nova, quem acaba sendo escolhida pelo herdeiro. Nomi nunca aceitou as regras que lhe eram impostas e aprendeu a ler, apesar de a leitura ser proibida para as mulheres. Seu fascínio por livros a levou a roubar um exemplar da biblioteca real — mas é Serina quem acaba sendo pega com ele nas mãos. Como punição, a garota é enviada a uma ilha que serve de prisão para mulheres rebeldes. Agora, Serina e Nomi estão presas a destinos que nunca desejaram — e farão de tudo para se reencontrar.(Resenha: Graça e Fúria – Tracy Banghart ).

Opinião: Historicamente as mulheres são tratadas com desprezo e preconceito pelas diversas sociedades que o mundo já teve. Tudo começou lá no Jardim do Éden, em que Adão jogou o sentido de fraqueza todo sobre Eva. Com o passar do tempo, muito se agravou esse tratamento e aos poucos as mulheres foram sendo retiradas da sociedade e privadas de participações e direitos.

Graça e Fúria traz ao leitor uma história de fantasia que discute a mulher e seu papel na sociedade. Em meio a um emaranhado de política abusiva e de repressão, o livro luta para colocar a mulher lado a lado com o homem, indo de frente contra o machismo e a escória da sociedade que se priva de avançar.

Em um reino que não aceita a voz e a representatividade das mulheres no meio político, os governantes criaram um tipo de concurso que de tempos em tempos são escolhidas três mulheres para serem graças com o objetivo de satisfazer os desejos dos governantes. Serina é uma jovem que tem o objetivo árduo de se tornar uma graça e se preparou a vida inteira para se tornar uma.

Nomi diferentemente de sua irmã Serina, é uma jovem com ideias revolucionárias, que não concorda como o sistema funciona e a forma como são tratadas as mulheres. No entanto, se sente sozinha e acuada, sempre levando as coisas como são. Temperamental e incisiva, ela coloca sua irmã em situação complicada ao roubar um livro da biblioteca do príncipe em meio ao processo de escolha das graças.

As mulheres são impedidas de ler e escrever, mas isso nunca impediu Serina de procurar a saber escrever e ler. Este conhecimento a coloca em situação difícil quando sua irmã lhe comunica o “furto”. Para tentar salvar sua irmã ela se declara culpada e sua vida muda. Enquanto Nomi que tinha objetivos de fugir e ser livre é escolhida para continuar no processo, já sua irmã, é presa e colocada em uma prisão que muda sua vida.

As ações e consequências das irmãs colocam o reino em situações que os governantes não esperavam. Elas protagonizam e influenciam nos acontecimentos políticos, amorosos e fantásticos deste inicio de série.

Com clichês e quase nada inovador, Graça e Fúria se espelha na trilogia A Seleção e na saga A Rainha Vermelha. Porém, isso não impede do livro ser um bom argumento para leitores do gênero. Leiam!

Avaliação:

TRACY BANGHART cresceu na zona rural de Maryland, nos Estados Unidos. É formada em inglês pelo Davidson College, na Carolina do Norte, e pós-graduada em editoração pela Universidade Oxford Brookes, na Inglaterra. Atualmente, Tracy se dedica totalmente à escrita e viaja o mundo com o marido, o filho e seus animais de estimação.

Compartilhar
Artigo anteriorKhaled Hosseini | Novo livro tem tradução de Pedro Bial
Próximo artigoResenha: O Poder – Naomi Alderman
Goiano do pé rachado e comedor de piqui. Alucinado por histórias fantásticas e distópicos. Tributo, Hobbit de nascença, e habitante do país de Aslan. Entre os autores Suzanne Collins é majestade e Tolkien é imperador. Técnico em Química e buscando ser químico industrial intercalado com a vida de escritor, um dia qualquer publicará seu livro. Não dispensa um cinema...

Deixe uma resposta