Sinopse Record: O presidente desapareceu. O mundo fica em estado de choque. Mas o motivo do desaparecimento é muito pior do qualquer um pode imaginar. Com detalhes que só um presidente poderia conhecer, e o tipo de suspense que só James Patterson é capaz de criar, surge um dos maiores thrillers dos últimos tempos. (Resenha: O Dia em que o Presidente Desapareceu – Bill Clinton e James Patterson)

Opinião: Os Estados Unidos sob ameaça, seja ela qual for, vinda de outros países, grupos terroristas ou extraterrestres, não é necessariamente uma novidade no mundo da literatura e cinema. Há uma certa fixação dos norte-americanos em produzir histórias em que eles estão sempre à mercê de uma destruição em massa. Mas e se sairmos do campo dos exageros e pensarmos em uma ameaça que envolva hackers, Rússia, grupos extremistas religiosos islâmicos, além de um congresso em que o presidente oposicionista da Câmara tem sonhos de cassação e a vice-presidente do país tem sonhos de assumir o poder. Que tal? Bom, se você responder que isso parece uma mistura de vida real com House of Cards, você não só acertou como tem fortíssimas chances de devorar este thriller.

O Dia em que o Presidente Desapareceu é um suspense escrito sob medida para leitores que curtem o gênero, claro, mas que também têm um interesse especial por intrigas e bastidores políticos. A comparação com House of Cards é inevitável porque o clima das disputas, conchavos e dia a dia do cenário político norte-americano constituem a base da trama. Porém, há aqui um diferencial único. A obra traz o conhecimento preciso de um ex-presidente. A contribuição de Bill Clinton, com sua experiência de dois mandatos à frente da Casa Branca, trouxe um ar de veracidade e uma chancela de como é, de verdade, a vida do homem mais poderoso do mundo.

Mas não se engane de pensar que O Dia em que o Presidente Desapareceu é um thriller simples, com mistérios a serem solucionados como toda boa obra do gênero. Há neste livro o fator do pé na realidade. Os principais atores e fatores globais que vemos diariamente nos noticiários marcam presença nessa história, criando desdobramentos interessantes e se assemelhando a um jogo de xadrez em que cabe ao presidente dos EUA mover as peças mais decisivas, para o bem de seu pais. Assim, a trama convence e envolve.

Muito mais que um suspense, a base de O Dia em que o Presidente Desapareceu está no campo das decisões políticas e em como elas impactam o mundo ao redor. Há uma corrida contra o tempo em curso e é preciso não só saber jogar o jogo como ter a capacidade de enxergar além da superfície do que é descrito. É aqui que os autores lançam mão de elementos para confundir o leitor e leva-lo por caminhos que vão resultar em reviravoltas e boas surpresas. Embora, confesso, decifrei as duas principais charadas já próximo do meio do livro.

Por trás do suspense, o livro esconde boas doses de reflexão sobre a atual conjuntura do mundo e o papel não só dos EUA, mas de outras grandes nações, nesse tabuleiro. Nestes trechos, fica clara a mão de Bill Clinton comentando impactos de redes sociais, relações entre países, formas de condução da política externa e, como não poderia deixar de ser, um capítulo final com um discurso que é uma crítica explícita ao governo e aos métodos de Donald Trump. Isso pode ser enfadonho ou desinteressante para leitores que buscavam apenas um mistério a desvendar, mas é extremamente envolvente para quem tem uma queda por política.

Lúcido, bem construído, mesclando elementos para agradar os mais variados gostos dentro do thriller, e com uma fina ironia para com os Estados Unidos do mundo real, O Dia em que o Presidente Desapareceu é uma das melhores produções de suspense político que já li. Ideal para quem gosta de mistério e ação, e perfeito para quem ama política e seus bastidores.

Avaliação:

 

Os Autores: Bill Clinton foi eleito presidente dos Estados Unidos em 1992, cargo que ocupou até 2001. Ao deixar a Casa Branca, criou a Fundação Clinton, que contribui para a melhoria da saúde global, a criação de mais oportunidades para meninas e mulheres, a diminuição da obesidade infantil e de doenças preveníveis, a geração de oportunidades e crescimento econômicos, e a análise dos efeitos das mudanças climáticas. É autor de vários livros de não ficção, entre eles My Life, best-seller internacional. O Dia em que o Presidente Desapareceu é sua primeira obra de ficção.

James Patterson recebeu o Prêmio Literarian por Serviços Prestados à Comunidade Literária Americana, concedido pela National Book Foundation. Detém o recorde mundial de livros no primeiro lugar da lista de mais vendidos do New York Times, com mais de 375 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo.

Deixe uma resposta