Sinopse Arqueiro: Considerado o novo mestre do horror, Joe Hill apresenta 17 contos que passeiam por todas as vertentes da literatura de terror: do sobrenatural ao suspense, do thriller à fantasia. Com um texto ágil, ácido, repleto de referências culturais, este livro tem o poder de suscitar sentimentos opostos, fazendo com que o leitor fique ao mesmo tempo aterrorizado com o rumo da história e empolgado com o ritmo da narrativa. (Resenha: Fantasmas do Século XX – Joe Hill)

Opinião: Art é um garoto adorável com uma vida tão normal quanto poderia ser se levarmos em conta que ele é inflável. Art tem sonhos, desejos, medos e angústias. Mas não é fácil viver em um mundo lotado de objetos e coisas pontiagudas. A vida de Art está sempre por um fio (ou uma ponta). Ao ler essa curta e fascinante narrativa sobre um garoto inflável podemos perceber como escrever um conto é um exaustivo exercício de talento. Desenvolver um único conflito na trama, sem desdobramentos múltiplos e com qualidade, é tarefa que poucos dão conta. Não à toa que na maioria das vezes as coletâneas de contos sempre têm altos e baixos.

Diferentemente do Brasil, em que os contos não têm tanta força no mercado, nos Estados Unidos os grandes autores investem no gênero e de tempos em tempos somos presenteados com a reunião de histórias que nos proporcionam sentimentos e reações diversas. É a magia do conto. Joe Hill, com sua hoje já firme carreira e fãs e crítica devidamente conquistados, estreou na literatura justamente com uma coletânea maravilhosa de contos. Fantasmas do Século XX, que tive o prazer de ler logo no ano de sua publicação, reúne dezessete histórias que permanecem conosco muito tempo após finda a leitura e já ali davam mostras do escritor que Hill viria se tornar anos depois. Talvez mais que isso. Essas histórias já podiam ser consideradas tranquilamente como obras de um grande escritor.

Fantasmas do Século XX não se resume a contos de terror. Em suas páginas encontramos de tudo um pouco, mas essencialmente somos levados a explorar o cotidiano em cenas e situações simples, banais, pontuadas por toques de sobrenatural, insólito e bizarro. Longe de despertar medo, as histórias fascinam e mostram um escritor versátil, que transita bem entre diferentes estilos e carrega referências e humor bem afiados. O explícito e o implícito caminham de mãos dadas nestes contos e sua diversidade de sentimentos e sensações constituem sua maior qualidade.

Passear por essa obra é se encantar com Arthur, o garoto inflável lá do primeiro parágrafo, naquela que considero a melhor e mais singela história do livro. Mas é também desvendar o bizarro da vida de Francis Kay, que é uma paródia tenebrosa para um Franz Kafka; ou as ironias e humores negros por trás de Eric com sua capa voadora ou o médico captando últimos suspiros das pessoas. Há um romance fantasmagórico embalado pelas películas do cinema e um editor de obras de terror que se vê perdido no meio de uma história. Em suma, são dezessete pequenas pérolas narrativas prontas para encantar, horrorizar, causar nojo ou fascínio nos leitores.

Conhecer os Fantasmas do Século XX é uma oportunidade imperdível de ter contato com o melhor da literatura fantástica. Todos os que apreciam grandes livros com histórias marcantes encontrarão aqui um conjunto de alta qualidade que merecerá releituras futuras. A magia desses contos sobrevive conosco e não perde seu vigor, pelo contrário, se torna cada mais forte, profunda e tocante. Imperdível e fundamental!

Avaliação: 5 Estrelas

\\

Do Autor leia também:

Mestre das Chamas

O Autor: Joe Hill já ganhou diversos prêmios por seus contos, incluindo dois Bram Stoker, o mais importante da literatura de horror. É autor de A estrada da noite e O pacto e da coletânea de contos Fantasmas do século XX, todos publicados no Brasil pela Arqueiro. Hill mora na Nova Inglaterra com a mulher e os filhos.

2 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta