Sinopse Companhia das Letras: Tudo começa em um parque da cidade de Estocolmo, onde o corpo de um menino é encontrado. A detetive superintendente Jeanette Kihlberg lidera a investigação, lutando contra um promotor apático e uma força policial burocrática que não quer dedicar recursos para resolver o assassinato de uma criança imigrante. Todavia, com a descoberta dos cadáveres mutilados de mais duas crianças, fica claro que um serial killer está à solta. Kihlberg procura a psicóloga Sofia Zetterlund, uma especialista em recuperar crianças que sofreram violência, e as vidas das duas mulheres se entrelaçam de forma quase instantânea profissional e pessoalmente. À medida que se aproximam da verdade sobre os assassinatos, as duas vão aos poucos perceber que os crimes escondem um mal subterrâneo que parece abraçar toda sociedade sueca.

Opinião: Na esteira de sucessos como a série Millenium ou o autor Jo Nesbo, as editoras brasileiras decidiram desbravar a Suécia, e a cada ano uma nova leva de romances policiais desembarca por aqui. A Garota Corvo é o mais recente lançamento e não foge à tradição de tramas complexas e temas pesados. Originalmente publicado como uma trilogia, a Companhia das Letras optou por lançar a obra completa em um único volume, com uma capa sensacional e ótima qualidade gráfica.

A Garota Corvo é um livro denso que mergulha no psicológico humano de forma clínica. A história é uma intrincada teia de traumas, vingança, exploração e corrupção. De um lado a polícia, através da detetive Jeanette Kihlberg, tentando decifrar os assassinatos brutais de meninos imigrantes e lutando contra um Estado que não se importa muito com a morte de menores sem identidade. De outro, uma série de assassinatos envolvendo pessoas que, a princípio, não tem nenhuma conexão entre si. Mortes brutais com algumas cenas bem fortes, embora sem muito detalhamento nauseante.

A reunião de tantos temas delicados, não muito comuns na literatura, como a exploração e o abuso infantil, aliada a um mistério bem construído e de difícil solução, prometiam muito para este livro. E de fato quando tudo é solucionado e conseguimos enxergar o imenso quebra-cabeças que compõe essa história levamos um bom soco na cara de surpresa. O problema está justamente em conseguir vencer as quase seiscentas páginas de uma narrativa pra lá de arrastada.

A Garota Corvo tem uma excelente história, mas é um livro chato. A falta de ação se soma a ramificações sem fim em que dezenas de fatos vão sendo narrados entre passado e presente, com uma galeria infindável de personagens. Acompanhar tudo exige muita atenção, só que a narrativa não ajuda. Em diversos momentos me peguei no piloto automático, simplesmente lendo sem que meu cérebro assimilasse porque nem curiosidade para solucionar os casos o livro conseguiu me despertar. A trama não envolve e o que nos resta é se deixar levar por uma ou outra passagem um pouco mais interessante.

Há uma “dica de sabedoria”, que falamos muito em agências de comunicação, que recomenda: às vezes, menos é mais! Acho que isso resume meu sentimento com relação à A Garota Corvo. A história foi tão bem imaginada e de forma tão complexa que ela acabou se perdendo, e o que poderia ter rendido um suspense do c… resultou num romance policial sem pegada.

As duas personagens femininas que protagonizam a história, Jeanette e Sofia, são o grande destaque por sua construção sólida e verossímil. E o autor vai evidenciando a todo momento o preconceito que as figuras femininas sofrem nos ambientes de maioria masculina em que vivem. Preconceito que acaba perdendo espaço para a força de cada uma em desempenhar suas funções.

Aos que se aventurarem pelas páginas de A Garota Corvo, eu espero que encontrem um livro diferente do que eu expus acima e venham me contar aqui e me tragam suas visões. Não fluiu comigo, mas é uma obra com seus méritos e que merece ser discutida.

Avaliação: 3 Estrelas

O Autor: Erick Axl Sund é o pseudônimo da dupla de escritores suecos Jerker Eriksson e Håkan Axlander Sundquist.

10 COMENTÁRIOS

  1. Comprei hoje o livro, após ler o que vc escreveu , fiquei mais curiosa ainda..kkkk..Irei ler e depois voltarei com comentários , vc foi a primeira pessoa quem disse isso, sempre ouvi falar coisas do tipo ”o livro é ooootimo, vc vai amar”.

    • Ei Anayran… Por favor, volte sim e traga a sua visão da obra pra mim. Como falei, a trama é muito boa, mas diversos pontos acabaram não fluindo comigo. Quero muito ouvir outras opiniões! =)

  2. Olá, Jeff. Acabei esse livro hoje e achei fantástico. Sinto muito que tenha tido uma experiência ruim com a obra. Na minha opinião, as novas descobertas e os pontos de vistas “surpresas” foram o ponto chave para tornar tudo intrigante e surpreendente. =)

    • Ei Sara! Eu realmente não tive bons momentos de leitura neste livro, mas acho que ele merece sim uma segunda chance em breve… Curto muito os thrillers suecos. Obrigado pelo feedback! =)

  3. Oi Jeff tudo bem? Acabei de ler “A garota corvo” e procurando pelo Google, achei a sua resenha. Não gostei muito desse livro e concordei com tudo o que você disse na sua resenha. Eu também dei 3 estrelas no Goodreads.
    Esse livro tinha tudo para dar certo mas eu li a história bem arrastada, pensei em até desistir do livro e eu achei que muitas partes do livro podiam ficar de fora. Eu estava esperando mais desse livro ainda mais porque compararam esse livro com os livros do Stieg Larsson.

    • Ei Thaizi, tudo certinho! 😉
      Pelas opiniões que li, me parece que o livro ficou no meio termo, mas muito gente acabou se decepcionando. Um pena porque a sinopse prometia muito. E a capa também. :/

  4. Ola, tudo bem? Após todo o hype em torno do lançamento e pela promessa de ser semelhante à série millennium, corri logo à livrarias para comprar o meu. Após um começo instigante, a narrativa passou a se arrastar numa confusa mistura de personagens e tempo de acontecimento dos fatos. Cheguei a me perguntar se o problema estava em mim, pois li torcendo para o livro chegar ao fim… das 580 paginas, muitas seguiram no automático, totalmente diferente dos 3 livros de Larson, que prendem o leitor do início ao fim.

    • Fala Rafael, tranquilo? Acho que a comparação com a série millennium foi aquele marketing bem furado pensado para vender o livro apenas. Como você falou o livro é muito diferente, tem outra pegada. Infelizmente “A Garota Corvo” não envolve a gente a ponto de despertar curiosidade pelo quem vem a seguir ou pelo mistério como um todo.

Deixe uma resposta