Sinopse Rocco: Uma história de terror moderna, perturbadora e emocionante, assinada pelo mestre dos quadrinhos M. R. Carey, pseudônimo de Mike Carey, roteirista de sucessos como X-Men e Hellblazer e autor do cultuado A menina que tinha dons, adaptado para a telona pela Warner Bros (ainda sem previsão de estreia no Brasil). Em seu segundo romance, Carey conta a história de uma mulher que vive em Fellside, uma prisão de segurança máxima localizada nos confins da Inglaterra. Acusada de ter incendiado o seu apartamento e matado por acidente uma criança, Jess Moulson vive afundada em culpa e medo, e sabe que não pode confiar em ninguém ali. Até que começa a ouvir a voz de uma criança. Uma criança morta, que tem uma mensagem para Jess.

Opinião: Li diversas resenhas negativas sobre A Menina que Tinha Dons, primeira obra de M.R. Carey publicada no Brasil. Assim, decidi dar uma chance ao autor embarcando diretamente em seu segundo livro, Fellside – Estranhos Visitantes, o que resultou em algumas muitas e boas horas desperdiçadas de minha vida.

Antes de mais nada, chamo a atenção para a frase inicial da sinopse: “uma história de terror moderna, perturbadora e emocionante”. Bom, Fellside não tem nada de terror, ficando somente no campo do suspense ou suspense sobrenatural, como preferirem. Não é uma história perturbadora, e emocionante… Bem, depende do estado de espírito do leitor.

A trama se passa na prisão feminina de Fellside (talvez uma tentativa de criar identificação com a série Orange is the New Black). Jess Moulson, atormentada pela culpa, recebe a visita da criança assassinada e recebe dela uma mensagem e uma missão. Começa então a saga de redenção de Jess em busca de justiça. Para a criança, não para si mesma. Ao mesmo tempo, todo o universo da prisão é apresentado em todos os seus detalhes e tramas paralelas. Conhecemos diversas detentas e suas histórias, os dramas, o poder paralelo, a corrupção de guardas, a fraqueza do médico responsável pela enfermaria, a vaidade do diretor-geral, as prisioneiras barra-pesada… Todo o cenário é minuciosamente contado. E isso é um tédio.

A característica principal de Fellside é a falta de ação. A trama, de suspense, não consegue despertar curiosidade e mal se sustenta tamanha quantidade de histórias que vão se entrelaçando. Lá no final teremos alguns fios amarrando tudo? Sim, mas é um desfecho daqueles difíceis de convencer. A reviravolta, quando ocorre, soa mais para decepcionante do que surpreendente.

Ponto positivo? Sim, existe! A capacidade imaginativa do autor é que o mais surpreende. Apesar de ter achado a história ruim, não tenho como negar que todo o universo criado dentro dessa prisão é bastante criativo. O que me leva a divagar se Fellside não se sairia melhor como uma série de televisão. O lado roteirista de M.R. Carey é mais evidente nestas páginas do que o romancista, e diversas passagens tem uma clara pegada audiovisual.

Avaliação: 1 Estrela

O Autor: M.R. Carey é um autor britânico de roteiros e romances. Sob o nome de Mike Carey colaborou com a Marvel e a DC Comics, com as franquias X-Men e Quarteto Fantástico, e suas histórias entraram nas listas de quadrinhos mais vendidos do The New York Times. Carey também escreve para Hollywood e, além de A menina que tinha dons, possui outros romances publicados na Inglaterra.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: De Mandelstam para Stálin – Robert Littell
Próximo artigoJojo Moyes agradece aos fãs e anuncia vinda ao Brasil!
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta