Sinopse Seguinte: Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical. Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unir para conseguir sobreviver. (Resenha: A Melodia Feroz – Victoria Schwab)

Opinião: Este é um dos livros mais originais que li no ano, uma daquelas histórias que encantam, emocionam, arrancam sorrisos e nos fazem sentir parte da jornada dos personagens. Victoria Schwab produziu uma obra inventiva com uma construção impecável que certamente vai encantar leitores fãs de qualquer gênero literário.

O mundo distópico de A Melodia Feroz é povoado por monstros gerados pela violência. Cada ato de violência praticado por uma pessoa produz um monstro que passa a povoar e atacar o local em que surgiu: os Malchais, que se alimentam de sangue; os Corsais que se alimentam de carne e osso, e os Sunais que se alimentam da alma das pessoas. Ou seja, violência gera violência, que se volta contra nós mesmos. Essa genial criação da autora é um sopro de criatividade em um gênero literário, a fantasia, tão carente de inovação e onde sobra a mesmice inspirada no imediato sucesso anterior.

No território em que se passa a história, chamado de Veracidade (uma re-divisão dos Estados Unidos que conhecemos hoje, porém com novos nomes), dois grupos mantém um clima de paz na tensão, algo que poderia ser comparado com o mundo nos tempos da Guerra Fria. De um lado os Harker, que representam a ganância e a sede pelo poder, e de outro os Flynn, que buscam a justiça e a paz. A partir dos filhos dessas famílias, Kate e August, o livro vai se desenvolver centrado na convivência dos dois e numa improvável amizade que será posta à prova em diversos momentos.

Fugindo de clichês e com uma narrativa bastante envolvente e ágil, Victoria Schwab nos entrega uma ficção que tem a marca de uma triste inspiração na realidade. As metáforas usadas para mostrar as consequências da violência, e como elas afetam a sociedade, são muito bem construídas, e provocam aquele pequeno incômodo de imaginarmos que em certo aspecto existem sim “monstros” povoando nosso mundo real. Já os personagens são encantadores e geram rápida e imediata identificação. August é um protagonista com todas as características para nos conquistar, e seus dramas pessoais conseguem nos tocar. A parte musical, à qual ele está relacionado, é um acorde de beleza na melancolia de sua função. Kate é uma protagonista com frustrações de vida que facilmente identificamos em muitos adolescentes do nosso redor. Em suma, a ficção de A Melodia Feroz tem pés muito bem fincados e inspirados na realidade, às vezes dura, da nossa sociedade.

“Sou o que acontece quando uma criança tem tanto medo do mundo em que vive que escapa da única maneira que conhece: com violência”.

Extremamente inventivo, A Melodia Feroz flui tranquilamente e é uma daquelas leituras gostosas e prazerosas. As explicações em torno da formação dos monstros e da organização social em si vão sendo dadas aos poucos, de forma que tudo vai se encaixando com coerência e sem deixar lacunas. O livro termina em aberto, aguardando a continuação, mas com um desfecho que não frustra, pelo contrário, gera expectativas e ansiedade. Beleza, simplicidade e tristeza se unem para fazer desta uma das melhores histórias publicadas no Brasil em 2017.

Avaliação: 5 Estrelas

A Autora: Victoria Schwab é autora de romances jovens adultos e de fantasia, como A Guardiã de histórias e a série Um Tom Mais Escuro de Magia. Quando não está escrevendo ou sonhando com monstros em algum café, Victoria gosta de viajar, fazer biscoitos e assistir a séries da BBC.

Origem - Dan Brown - Editora Arqueiro
Compartilhar
Artigo anteriorResenha: O Espião que saiu do Frio – John Le Carré
Próximo artigoResenha: O Enigma de Blackthorn – Kevin Sands
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta