Sinopse Vestígio: Seus alunos mataram sua filha. Agora ela quer se vingar. O mundo da professora Yuko Moriguchi girava em torno da pequena Manami, uma garotinha de 4 anos apaixonada por coelhinhos. Agora, após um terrível acontecimento que tirou a vida de sua filha, Moriguchi decide pedir demissão. Antes, porém, ela tem uma última lição para seus pupilos. A professora revela que sua filha não foi vítima de um acidente, como se pensava: dois alunos são os culpados. Sua aula derradeira irá desencadear uma trama diabólica de vingança. Narrado em vozes alternadas e com reviravoltas inesperadas, Confissões explora os limites da punição, misturando suspense, drama, desespero e violência de forma honesta e brutal, culminando num confronto angustiante entre professora e aluno que irá colocar os ocupantes de uma escola inteira em perigo. (Resenha: Confissões – Kanae Minato)

Opinião: Acredito que a vingança seja um dos sentimentos mais controversos que alguém possa ter. Por mais que motivações religiosas ou morais pairem sobre nossa consciência, é sempre sedutora a oportunidade de fazermos justiça nós mesmos, doa a quem doer. Sabemos que é errado, mas temos tendência a cogitar, ou até mesmo ceder, aos sussurros do diabinho atentado em nossos ouvidos. Sendo assim, qual não seria a nossa reação se, como professores, descobríssemos que nossa filha foi morta por um de nossos alunos? Essa premissa interessantíssima foi o ponto de partida para Kanae Minato escrever sua pequena obra visceral, brutal e de uma frieza assustadora e chocante. Confissões traz o ciclo de uma vingança mostrando de forma literal que este é mesmo um prato que se come gelado.

Com uma narrativa ágil e envolvente, cada capítulo é apresentado sob a ótica de um personagem, tecendo assim uma teia de confissões que vão compondo a vingança da professora Yuko Moriguchi. Seu plano desencadeia uma série de acontecimentos que vai afetando a vida de diferentes alunos e personagens, mesmo aqueles que nada tem a ver com a morte de sua filha. Assim, cada narrador mostra a dimensão que a vingança tomou, sem adjetivações ou detalhamentos, apenas com a frieza dos fatos.

Ao apresentar os culpados logo no começo da história, a autora deslocou os leitores do plano de curiosos para o de testemunhas. Passamos a ser espectadores da evolução da vingança, e vamos sendo conduzidos por meandros delicados da sociedade japonesa. As formas de criação e educação das crianças, sempre na cobrança de melhores resultados, resulta em jovens desestruturados emocionalmente e com fortes tendências ao suicídio. Nas entrelinhas, Confissões traz sutis alertas para as formas como devemos educar, em casa e na escola, nossas crianças. E isso vale tanto para a realidade do Japão quanto do Brasil.

Já no plano do thriller, este é um daqueles livros para serem lidos de uma só vez, sem pausas. Abdicando de recursos mirabolantes ou de enveredar por caminhos difíceis de engolir, a autora passou seu recado com qualidade, em poucas páginas, e com reviravoltas surpreendentes. E o desfecho consegue provocar um delicioso sorrisinho sádico em nossa alma.

Impossível de largar, Confissões provoca uma confusão de sentimentos que vão do asco à simpatia, da raiva ao deslumbre. Simplesmente, leiam este livro!

Avaliação: 5 Estrelas

A Autora: Kanae Minato é uma dona de casa e professora que escreveu Confissões entre uma tarefa e outra. O livro vendeu mais de três milhões de cópias no Japão, onde recebeu vários prêmios literários e foi adaptado para o cinema em um filme pré-indicado ao Oscar. Confissões também foi selecionado como um dos dez melhores livros de suspense de 2014 pelo Wall Street Journal.

Compartilhar
Artigo anteriorNovo livro de John Grisham, “A Delação” sai em outubro pela Rocco
Próximo artigoResenha: O Escravo de Capela – Marcos DeBrito
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

1 COMENTÁRIO

  1. Li esse livro em 2 dias e me apaixonei. Uma história completamente envolvente que te prende e vicia. Não tem como largar sem antes ouvir todas versões de cada personagem. Incrível.

Deixe uma resposta