Sinopse Suma de Letras: Rose passeia de bicicleta pelo bosque perto de casa, quando de repente é engolida por uma cratera no chão. A cena intriga os bombeiros que chegam ao local para resgatá-la: uma menina de onze anos caída na palma de uma gigantesca mão de ferro. Dezessete anos depois, Rose é ph.D em física e a nova responsável por estudar o artefato que encontrou ainda criança. O objeto permanece um mistério, assim como os painéis que cercavam a câmara onde foi deixado. A datação por carbono desafia todas as convenções da ciência e da antropologia, e qualquer teoria razoável é rapidamente descartada. Quando outras partes do enorme corpo começam a surgir em diversos lugares do mundo, a dra. Rose Franklin reúne uma equipe para recuperá-las e montar o que parece ser um robô alienígena gigante quase tão antigo quanto a raça humana. Mas, uma vez montado o quebra-cabeças, ele se transformará em um instrumento para promover a paz ou causar destruição em massa? Parte ficção científica, parte thriller, Gigantes Adormecidos é uma história viciante sobre a disputa pelo controle de um poder capaz de engolir todos nós.

Opinião: Gigantes Adormecidos foi mais uma das gratas surpresas que tive entre os lançamentos de 2016 que peguei para ler. A história é descompromissada, divertida, intrigante e consegue criar um climazinho de thriller que funciona como cereja do bolo para nos entreter.

Acompanhamos um grupo heterogêneo de pessoas recrutadas para desvendar os segredos por trás de um gigantesco robô, cujas peças do corpo estavam espalhadas pelo planeta. O resultado é uma trama de ficção científica que mistura o contato com uma possível raça super avançada de alienígenas a interesses políticos mundiais, além de alguns segredos bem guardados para a continuação da série.

O livro é escrito em forma de entrevistas, ou seja, cada capítulo traz a transcrição ou o relatório da conversa entre um personagem e o misterioso interlocutor que em nenhum momento nos é identificado. Esse formato criativo de narrativa dá mais dinâmica para a história, embora acredito que alguns leitores possam achar meio maçante.

A ausência de protagonistas bem identificados faz com que a construção dos personagens não seja tão aprofundada. Nós conhecemos apenas aquilo que é perguntado a cada um deles, e a todo momento fica a impressão de que há muito por ser revelado, o que contribui para o mistério da história. Melhor forma de exemplificar isso é falarmos da figura do interlocutor. Ele está presente em quase todos os capítulos, nada é dito sobre ele, e ora ele age como mandatário, ora como subordinado. Fora isso, acho impossível não simpatizar com o pouco que nos é permitido conhecer de cada personagem.

Apesar da trama parecer absurda à primeira vista, todas as explicações dadas no livro conseguem nos convencer e envolver, e as muitas tiradas de humor são um ponto forte a favor da obra. Como se trata de uma trilogia (o segundo volume será lançado em abril de 2017 nos EUA), a história não tem uma conclusão definitiva, e ao fim da última página fica aquele gostinho de “quero continuar lendo”.

Gigantes Adormecidos é um livro sem grandes pretensões. É pura diversão e consegue nos fisgar, sendo uma ótima companhia para um fim de semana. Vale a leitura e a espera pelo próximo volume.

Um Ps. de parabéns para a Suma de Letras pela belíssima capa! Continuem investindo em terror e ficção científica porque o balanço 2016 para vocês está mais que positivo! =D

Avaliação: 4 Estrelas

O Autor: Sylvain Neuvel saiu da escola aos quinze anos. Desde então, foi jornalista, trabalhou em descontaminação do solo, vendeu sorvete na Califórnia e correu o Canadá vendendo móveis. É Ph.D em linguística pela Universidade de Chicago. Foi professor de linguística na Índia e engenheiro de software em Montreal. Também é tradutor juramentado, mas o que queria mesmo era ser astronauta. Gosta de consertar eletrodomésticos, mexer com robótica e é meio obcecado com o Halloween. Também é completamente apaixonado por brinquedos. Como a namorada quer convencê-lo de que tem brinquedos demais, escreve sobre alienígenas e robôs gigantes como desculpa esfarrapada para construir bonecos militares (para o filho, é claro).

Compartilhar
Artigo anterior7 jovens atores para se ficar de olho
Próximo artigoNovo livro de Zafón será lançado pela Suma de Letras em 2017
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta