Resenha: A Queda dos Reinos – Morgan Rhodes

0
947

Sinopse Editora Seguinte:  

Nos três reinos de Mítica, a magia estava esquecida desde tempos imemoriais. Depois de séculos de uma paz mantida a muito custo, certa agitação começa a emergir. Enquanto os governantes lutam cegamente pelo poder, seus súditos têm suas vidas brutalmente transformadas com a eclosão repentina da guerra. É assim que o destino de quatro jovens – três herdeiros e um rebelde – acabam interligados para sempre.
Cleo, Jonas, Lucia e Magnus vão ter de lutar, cada um à sua maneira, em um mundo revirado pela guerra, onde imperam traições inesperadas, assassinatos brutais, alianças secretas e paixões arrebatadoras. (Resenha: A Queda dos Reinos – Morgan Rhodes).

Opinião: 

Olá compulsivos tudo bom? Então, depois de um tempinho meio focado em distopias, cenários com governos autoritários e romances acelerados; que tal continuarmos com isso, mas colocando a magia no meio?! As fantasias são sempre bem vindas e hoje vamos falar de um grande sucesso do meio, A Queda Dos Reinos de Morgan Rhodes.

A Queda Dos Reinos é o início de uma série de livros que mostrará o retorno da magia em um reino imerso em tensões políticas e tramas mal intencionadas. Mítica está dividida e um rei quer se sobresair a outro rei, e partir desse embolo todo, conhecemos vários personagens, chatos, que serão responsáveis por trazer a Mítica seus dias de magia e amor.

Rapidamente somos apresentados a Cléo, uma menina que de longe é a mais insuportável da história. A acompanhar é um sacríficio enorme e a vontade que tive foi a de sacudir a garota e dizer pra ela largar de ser tão mimadinha. É ela a responsável por vários acontecimentos e consegue movimentar bem a história.

Magnus e Lúcia são de outra parte de Mítica e diferentemente de Cléo conseguem ser mais interessantes que ela. Isso, porque em torno deles giram mistérios e tramas mais construídas e que faz o leitor querer acompanhá-los.  Magnus enfrenta dilemas com o pai o rei, e o odeia por tê-lo o machucado muito no passado e continuar o machucando. Seu pai tem um único objetivo, ter Mítica em suas mãos e ser o governante máximo; para isso, tem em suas mãos Lúcia, uma jovem menina que é feiticeira e está aprendendo a lidar com todo o seu pontecial.

O que me deixou extremamente irritado com esse início, é que de fato o livro é um grande sucesso, mas, está longe de ser um grande início para uma série de fantasia. A história tem muitos furos e muitas pontes mal feitas. As conexões entre os personagens são de deixar a desejar e a forma como muitos são explorados é grotescamente feita sem pé e sem cabeça.

Megan Rhodes tinha em suas mãos uma história com pontecial enorme e com um rieno que daria muito bem para ser explorado sem precisar ser rápida de mais ou sem nexo. A Queda Dos Reinos é uma surpresa um tanto desagradável, mas devido a alguns pontos e que conseguem se destoar nos faz querer continuar. Com uma leitura rápida e sem grandes dificuldades, é um mal início mas que pode ser facilmente lido.

Avaliação: 

A autora Morgan Rhodes vive em Ontário, Canadá. Quando criança, ela sempre quis ser uma princesa – o tipo que sabe como manejar uma espada afiada para ajudar a salvar os dois reinos e príncipes de dragões cuspidores de fogo e bruxos das trevas. Em vez disso, ela se tornou uma escritora, que é tão bom e muito menos perigoso. Junto com a escrita, Morgan gosta de fotografia, viajar, reality show, e é uma leitora extremamente exigente, mas voraz de todos os tipos de livros. Sob outro pseudônimo, ela é uma autora best-seller nacional de muitos romances paranormais. Falling Kingdoms é sua primeira grande fantasia.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: A Pequena Caixa de Gwendy – Stephen King e Richard Chizmar
Próximo artigoResenha: Flores para Algernon – Daniel Keyes
Goiano do pé rachado e comedor de piqui. Alucinado por histórias fantásticas e distópicos. Tributo, Hobbit de nascença, e habitante do país de Aslan. Entre os autores Suzanne Collins é majestade e Tolkien é imperador. Técnico em Química e buscando ser químico industrial intercalado com a vida de escritor, um dia qualquer publicará seu livro. Não dispensa um cinema...

Deixe uma resposta