Sinopse Cultura Em Letras Edições: O Rio ganha mais um autor de romances. Mauro Franco, o jornalista da Zona Sul carioca, estreia na função com “Tempo Incerto”. A narrativa, que se passa na cidade, faz jus ao título mostrando as incertezas da passagem do tempo – e as surpresas que ele sempre nos traz. Como ter, o tempo, revelado um excelente escritor até hoje escondido por trás do jornalista ativista e perspicaz? O romance se desenrola em três tempos interlaçados. Imaginem o que é, um dia, estar na década de 1980 trabalhando como jornalista na cobertura do show de uma das inúmeras bandas que surgiram nesse período e, no seguinte, acordar no Hotel Avenida, almoçar no Bar Brahma da Galeria Cruzeiro, passear de bonde pela Cinelândia ao largo do Palácio Monroe e ler manchetes sobre Getúlio Vargas estampadas nas capas dos principais jornais? Fábio teve essa oportunidade ao, sem querer, se transportar pelo tempo e ir parar em 1936, quando os costumes e o modo de viver cariocas eram tão diferentes. (Resenha: Tempo Incerto – Mauro Franco).

Opinião: O você faria se pudesse ter o poder de voltar no tempo? Tenho absoluta certeza de que várias respostas comuns apareceram, tais como: “Não gastaria muito”, “não começaria tal namoro”, “buscaria outro curso”, “viveria mais em família”, “aproveitaria meu tempo com coisas úteis” e etc… São várias as coisas que faríamos ou deixaríamos de fazer apenas pela experiência vivida.

Mauro Franco autor de Tempo Incerto ilustra em seu romance mesclado com ficção científica, que voltar no tempo não é a solução. Pelo contrário, só traria mais problemas e não garantiria nenhum tipo de estabilidade e ficaríamos marcados com lembranças perdidas.

Fábio é o  personagem central e a ele foi dado o poder de voltar no tempo e a forma como o usa provoca efeitos colaterais dos mais diversos na história. Uma história ambientada no Rio de Janeiro de diferentes épocas, transporta ao leitor um vislumbre das fases da cidade maravilhosa até os tempos de hoje.

Ao retomar a década de 80, Fábio percebe o “poder” que possui e o esconde sigilosamente com medo ou receio das provocativas, com isso tenta levar sua vida normal com sua esposa e suas filhas e no momento inesperado sua vida ganha uma reviravolta. Ele viaja no tempo e aparece no ano de 2015 com sua outra esposa e suas duas filhas já criada, porém, as lembranças de sua primeira esposa Vera, permeiam em sua mente com o sentimento de culpa provocado pelo segredo.

Nessas viagens no tempo, em que ele altera algumas escolhas na vida pessoal e profissional como jornalista na redação do jornal que trabalha, ele começa a refletir o quão incerto o tempo é, e principalmente a imprevisibilidade do seu poder.

O autor brinca com a história do Rio de Janeiro intercalando com a história central de Fábio. Temas como tráfico de órgãos, problemas sociais, política e vários outros que refletem a sociedade atual carioca e brasileira, traz ao livro uma realidade que identifica os personagens e enriquece a narrativa.

O livro tem uma narrativa muito bem elaborada e mais voltada para o romance natural brasileiro com argumentos baseados em escolhas de vida e foge da responsabilidade de focar um pouco mais na ficção científica, que poderia ter explorado mais as áreas da viagem no tempo dando mais “gás” a história de Fábio e do Rio de Janeiro, e isto não deixa o livro de ser uma boa escolha para os amantes da literatura brasileira.

Avaliação:

O autor Mauro Franco é jornalista e editor dos jornais de bairro Posto Seis, de Copacabana, no Rio de Janeiro, e VIA, que engloba outros bairros, também da Zona Sul da cidade. Entre suas publicações estão o livro Conversa de Botequim– crônicas do Barão do Posto 6,  e o guia Rio Turístico. É um grande incentivador das artes plásticas, tendo realizado diversas exposições como as datas comemorativas do bairro de Copacabana, entre outras. Por suas inúmeras contribuições para as artes, recebeu reconhecimento de vários órgãos, inclusive em Portugal. É acadêmico Honoris Causa da Academia Brasileira de Belas Artes. Seu mais recente lançamento é o romance Tempo Incerto.

Compartilhar
Artigo anteriorBox traz Sherlock Holmes na visão de autores consagrados
Próximo artigoResenha: Noite na Taverna – Álvares de Azevedo
Goiano do pé rachado e comedor de piqui. Alucinado por histórias fantásticas e distópicos. Tributo, Hobbit de nascença, e habitante do país de Aslan. Entre os autores Suzanne Collins é majestade e Tolkien é imperador. Técnico em Química e buscando ser químico industrial intercalado com a vida de escritor, um dia qualquer publicará seu livro. Não dispensa um cinema...

Deixe uma resposta