Sinopse Aleph: Um vírus altamente contagioso, indivíduos encarcerados em suas mentes ativas e saudáveis, robôs inseridos na sociedade, um estranho assassinato em um quarto de hotel que vai revelar grandes conspirações políticas. Encarcerados, escrito por John Scalzi, é excitante, divertido, tem bons personagens, traz um universo cyberpunk e distópico bem construído e verossímil, que nos transporta para um futuro assustadoramente próximo. (Resenha: Encarcerados – John Scalzi)

Opinião: A ficção científica com pegada de suspense policial de Encarcerados me colocou em contato com o universo criativo de John Scalzi e, se não me encantou a ponto de me transformar num super fã, pelo menos serviu de bom cartão de visitas para desbravar suas demais obras.

Basicamente, Encarcerados versa sobre o comportamento humano, valores pessoais e atitudes, quando o corpo deixa de existir, mas a mente permanece ativa e no comando. E como isso acontece? Bom, um vírus devastou boa parte do mundo e acabou afetando dezenas de pessoas que tiveram seus corpos acometidos por uma espécie de estado de coma. A ciência conseguiu, então, transferir a mente dessas pessoas, chamados de haden, para corpos artificiais, como androides, e assim elas puderam seguir com suas vidas. Quando uma cura para essa doença parece estar perto de ser encontrada é que começam os conflitos narrados no livro.

Esse mundo distópico e maravilhosamente bem construído esconde em suas entranhas as mesmas atitudes movidas a interesses pessoais que o nosso mundo não tão evoluído tem no seu dia a dia. Os atingidos pela Síndrome de Haden de um lado e as grandes corporações e seus interesses financeiros de outro. Toda essa discussão se passa como pano de fundo para a história central em que o protagonista, Chris Shane, um recém-formado policial e haden, investiga um misterioso assassinato com indícios de conspiração política.

O estilo narrativo da obra é envolvente, o enredo pra lá de interessante, mas ao mesmo tempo tem aquela coisa de “ou fisga o leitor logo de cara” e faz ele se embrenhar por esse universo, ou tudo soará bem tedioso e desinteressante. Pessoalmente, achei o livro 8/80, sem meio termo entre amar e odiar, e ele só conseguiu me empolgar de verdade já do meio para o fim, quando a história ganha um ritmo narrativo mais ágil. O ponto totalmente broxante foi o desfecho que veio de forma abrupta e passou uma impressão de pouco cuidado com a finalização da obra.

Com personagens cativantes e uma sociedade bem imaginada e verossímil, Encarcerados foi uma boa diversão e nada mais. Confesso que esperava mais do autor e fiquei com uma sensação de “é só isso?” quando terminei a leitura, mas como disse no começo da resenha, serviu de ponto de partida para as demais obras. Aguardo opiniões e comentários de vocês que possam mudar um pouco ou melhorar a minha visão dessa obra.

Avaliação:

O Autor: John Scalzi escreve livros, o que, considerando onde você está lendo isso, faz todo o sentido. Ele é mais conhecido por escrever ficção científica, pelo qual ganhou o Prêmio John W. Campbell (2006) e foi nomeado para o Prêmio Hugo pelo melhor romance (2006, 2008, 2009). Ele também escreve não-ficção, em assuntos que vão desde finanças pessoais até astronomia para cinema e foi o Consultor Criativo para a série de televisão Stargate: Universe.

Deixe uma resposta