Sinopse Editora Suma: Phillip Pullman volta ao mundo da trilogia Fronteiras do Universo, para outra aventura eletrizante envolvendo daemons, aletiômetros, o Magisterium e, claro, o Pó. La Belle Sauvage é o primeiro volume de uma nova trilogia chamada O Livro da Sombras, e se passa dez anos antes dos acontecimentos de A Bússola de Ouro, se centrando em Lyra e Pantalaimon, ainda bebês. Apesar de ser uma história diferente, os fãs de Fronteiras do Universo vão reconhecer muito do mundo e dos personagens que povoam La Belle Sauvage. Enquanto o protagonista, Malcolm, se envolve em uma assustadora aventura para tentar salvar a pequena Lyra das garras do Magisterium, outros mistérios e vilões surgem para complementar a trama que já conhecemos tão bem. “Sempre quis contar a história de como Lyra acabou morando na Faculdade Jordan. Este livro e o próximo cobrem dois momentos da vida dela: partindo bem do início e retornando vinte anos depois. Quanto ao terceiro livro, ainda é segredo.” – Phillip Pullman (Resenha: O Livro das Sombras “La Belle Suavage” – Philip Pullman)

Opinião: A trilogia “A Bússola de Ouro” é uma das fantasias de maior sucesso da atualidade. Em um universo muito bem construído acompanhamos a jornada de Lyra e seu daemon Pantalaimon em mundo perigoso e cheio de segredos. O autor Phillip Pullman retorna a esse universo para mostrar o que levou os eventos de A Bússola de Ouro acontecer e revelar que a jornada de Lyra iniciou ainda quando era bebê.

Nesta nova trilogia O Livro das Sombras retornamos a este universo acompanhando o jovem Malcon com suas dúvidas e interesses.

Malcon é um menino novo, filho de pais que são proprietários de uma hospedaria ou restaurante. Quando não está na escola, ajuda a servir os fregueses, as freiras no convento e os moradores do povoado. Está sempre em busca de aprender coisas novas e tem o sonho de navegar por toda Britânia. Além de tudo, gosta de uma boa história quando vem acompanhada de muita realidade.

Sua rotina começa a se transformar quando em La Belle Suavage um bebê chega ao convento das freiras e vira notícia. Logo pessoas ligadas ao reino e organizações começam aparecer em busca de respostas ou até mesmo perguntas (o velho jogar verde pra colher maduro.). Este bebê que é Lyra está ligada a uma profecia (não é spoiler) e em busca de querer saber mais, o caminho de Malcon se cruza com o da dra.Relf, uma espiã que a recruta na tentativa de obter mais informações sobre Lyra e tudo o que a envolve, inclusive seus pais e quem eles são.

Marcado por mistérios, vilões sempre presentes e se infiltrando na rotinas das crianças; é interessante a maneira como o autor trabalha com a espionagem e a forma como é usada pelo “bem e mal”.

O livro possui um ritmo que conquista o leitor e os faz não querer parar de ler. Ao mesmo que tempo que existe uma cena de ação há um momento de reflexão e conversas; e isso é um equilíbrio que traz estabilidade para a história e pra quem está lendo.

O famoso Pó que é a ligação que existe entre os humanos e seus daemons é o ponto crucial da história e o que a movimenta do início ao fim, em entrelinhas e de forma tímida consegue ser muito bem presente.

Voltar a sentir as palavras de Pullman é um agrado em meio a tantos autores que não conseguem ser originais ou construir universos que cativam. Para aqueles que querem voltar a este mundo incrível, não percam tempo, simplesmente, leiam!

Avaliação: 5 estrelas

O autor Philip Pullman nasceu em Norwich, Inglaterra, no dia 19 de Outubro de 1946. Durante a infância viajou pelo mundo inteiro, pois o seu pai e o seu padrasto eram ambos membros da Real Força Aérea. Passou parte da sua infância na Austrália, onde descobriu as maravilhas das histórias em quadrinhos, e cresceu amando, em particular, o Super-Homem e o Batman. Philip Pullman é o autor de várias obras, cujo a mais famosa é a série Fronteiras do Universo.
Aos 11 anos, quando voltou para a Grã-Bretanha, passou a viver no Norte de Gales. Era uma época em que as crianças podiam passear em qualquer lugar, jogar nas ruas, brincar sobre as colinas, e ele tomou plena vantagem disso. A sua professora de inglês, Enid Jones, exerceu uma grande influência sobre Pullman, e ele ainda lhe envia cópias dos seus livros.
Depois de sair da escola, Pullman costumava ir à Faculdade de Exeter, Oxford, para ler. Fez alguns serviços temporários, e então voltou a Oxford para tornar-se um professor. Ensinou em várias escolas para crianças de doze anos, e então se mudou para a Faculdade de Westminster, em Oxford, para ser conferencista a tempo parcial. Ensinou cursos sobre Romance Vitoriano e Contos Populares, e também um curso examinando como palavras e imagens poderiam assentir juntas. Ele eventualmente largou o magistério para escrever em tempo integral.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: Umbral das Trevas – Alex Villechaize
Próximo artigoResenha: Um de Nós está Mentindo – Karen M. McManus
Goiano do pé rachado e comedor de piqui. Alucinado por histórias fantásticas e distópicos. Tributo, Hobbit de nascença, e habitante do país de Aslan. Entre os autores Suzanne Collins é majestade e Tolkien é imperador. Técnico em Química e buscando ser químico industrial intercalado com a vida de escritor, um dia qualquer publicará seu livro. Não dispensa um cinema...

Deixe uma resposta