Sinopse Bertrand Brasil: Elliott, um garoto de 17 anos, não dorme bem desde o acidente que quase o matou. Às vezes, ele fica em um estágio meio adormecido, meio acordado e se vê cercado por silhuetas em movimento. Em outras, é ele quem se move, enquanto seu corpo permanece inerte na cama. Médicos dizem que a paralisia do sono e as experiências extracorpóreas são inofensivas – mas, para Elliott, elas são assustadoras. Determinado a descobrir o que está acontecendo, ele consegue um emprego em um museu conhecido por ser mal-assombrado. É onde conhece a enigmática Ophelia. À medida que os dois ficam mais próximos, Elliott se torna o foco de ainda mais atenção dos mortos. Certa noite, ao retornar de uma experiência extracorpórea, ele não encontra o próprio corpo. Alguma coisa está o ocupando, algo morto que quer viver de novo – e quer Ophelia também… (Resenha: Não Durma – Michelle Harrison)

Opinião: Experiências de quase-morte são temas interessantes para histórias de suspense e terror. Existem centenas de possibilidades para os autores brincarem com a criatividade e entregar para nós, ávidos leitores, aquela trama de gelar a espinha ou causar um incômodo na hora de dormir com a luz apagada. Não Durma, de Michelle Harrison, tem bons ingredientes para o suspense e chega a flertar, na minha opinião timidamente demais, com o terror.

Com uma boa pegada narrativa, naquela linguagem bem tranquila, Não Durma consegue envolver facilmente com a história de Elliott, um garoto que passou alguns minutos clinicamente morto e vivenciou uma experiência extracorpórea (em que a pessoa conscientemente se move, mas o corpo permanece inerte. Podemos chamar de espírito ou alma, porém a pessoa encontra-se viva). Agora, constantemente Elliott, se pega repetindo essas experiências. Aparentemente ele não tem controle sobre quando elas podem ocorrer. E o pior é que com isso ele acabou se transformando num ímã para os mortos.

A partir dessa promissora ideia, Michelle Harrison desenvolve um ótimo suspense, mas que envereda pelo caminho do romance juvenil e perde muito do lado sombrio. A construção da relação entre o drama de vida de Elliott e sua nascente paixão por Ophelia é envolvente. Ao mesmo tempo, porém, todos os mistérios que vão surgindo criam uma expectativa que não se concretiza no momento em que as verdades vêm à tona. A autora seguiu um ritmo tranquilo de narração e quando deveria levar tudo para o clímax, o fez de forma veloz. A pressa em revelar tudo e finalizar o livro prejudicou muito a qualidade da obra para quem se envolveu com cada detalhe apresentado.

Aos leitores menos afeitos ao terror e que curtem a mescla de suspense sobrenatural com adolescentes apaixonados, Não Durma é uma ótima pedida. Não vai assustar ou impressionar ninguém, mas vai garantir uma ou outra passagem mais tensa. Por outro lado, aos fãs de histórias de tirar o sono, a obra vai deixar a desejar e soar fraca e inocente demais. Na dúvida, vale a leitura.

Avaliação: 3 Estrelas

A Autora: Michelle Harrison é ex-editora-assistente da Oxford University Press. Ela agora escreve em tempo integral. Nasceu em Grays, de Essex, ela tem licenciatura em Ilustração e vive em Oxfordshire com seu parceiro, Darren, e dois gatos. Seu primeiro romance, The Thirteen Treasures, ganhou o Waterstone’s Children’s Book Prize e vendido em outros 17 países, assim como no Reino Unido. Ele é seguido por duas continuações, The Thirteen Curses e 13 Secrets. Seu quarto romance, Unrest, é uma história de fantasmas para Jovens-Adultos.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: Entre Cabras e Ovelhas – Joanna Cannon
Próximo artigoO Mecanismo: série da Netflix baseada na Operação Lava Jato
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta