Sinopse Bertrand Brasil: No centenário da aparição da Nossa Senhora de Fátima, uma viagem jornalística aos acontecimentos de 1917 que marcaram a sociedade portuguesa. No dia 13 de maio de 1917, três crianças anunciaram ter visto Nossa Senhora nos campos agrestes de Fátima, em Portugal. O caso, ocorrido em plena Primeira Guerra Mundial e em meio ao conflito entre a recém-instaurada República e a Igreja, atingiu proporções inimagináveis. Cem anos depois, o episódio continua controverso. Este livro, resultado de uma investigação baseada nos mais variados documentos de época, levará o leitor a se fazer uma incômoda pergunta: “Estarão os crentes alimentando uma mentira cuidadosamente planejada? ” (Resenha: Fátima. Milagre ou Construção – Patrícia Carvalho)

Opinião: A história é mais do que conhecida: três crianças (Lúcia, Francisco e Jacinta) tiveram a visão de uma mulher na Cova da Iria, arredores de Fátima, em Portugal. Essa visão aconteceu em 13 de maio de 1917 e se repetiu nos meses seguintes até outubro. A mulher, reconhecida pelas crianças como sendo Maria, a Mãe de Cristo, os instigou a rezar o rosário e lhes contou três segredos que foram revelados ao mundo em partes, sendo a última apenas no ano 2.000. A partir destas aparições, a mulher passou a ser venerada pelos fiéis sob o título de Nossa Senhora de Fátima. Seu culto atrai milhões de pessoas anualmente ao Santuário erguido no local das aparições.

Episódios como este envolvem, antes de mais nada, a fé. E não cabe a ninguém fazer julgamentos sobre a crença do outro, principalmente quando esta crença faz a diferença na vida e no cotidiano de um fiel. Este respeito para com a fé fica evidente durante a leitura de Fátima. Milagre ou Construção?, da jornalista Patrícia Carvalho. Ela mergulhou nos documentos e registros da época para traçar um relato jornalístico da melhor qualidade dos fatos acontecidos na Cova da Iria. Sem julgamentos e sem pender sua balança narrativa para nenhum dos lados. A partir de toda a gama de material disponível, Patrícia se atém a descrever a sequência de episódios, deixando por conta de cada leitor as conclusões sobre a veracidade do ocorrido. Ou melhor, fica por conta de cada um crer ou não. Essa é a qualidade primordial que faz deste livro uma narrativa válida para se obter informação objetiva.

Relatada em forma cronológica, a história das aparições de Fátima conta com inúmeras descrições de populares, que foram à Cova da Iria por fé ou curiosidade. Assim, Patrícia vai compondo um mosaico em que dá voz aos registros da Igreja, aos relatos das crianças, em especial de Lúcia, e das testemunhas oculares que corroboram ou não visões e emoções. As dúvidas levantadas até hoje por membros da própria Igreja Católica, os milagres e curas, as contradições das crianças, as possíveis manipulações de influentes autoridades da época, tudo isso é apresentado com isenção e imparcialidade. A autora situa o leitor, também, no contexto histórico de Portugal na época das aparições. Não somente o país, mas as particularidades da população que habitava a região de Fátima, mais agrária.

Independentemente de sua crença, ler sem pré-conceitos Fátima. Milagre ou Construção? é mergulhar em uma história que até a atualidade mexe com a espiritualidade das pessoas. Vale tanto como uma leitura de fé quanto sociológica, e serve de conhecimento para entendermos um pouco mais do século XX, tendo em vista que as aparições se inserem em um amplo contexto de mudanças e transformações no mundo.

Avaliação: 5 Estrelas

A Autora: Patrícia Carvalho nasceu no Porto em 1975. Formou-se em Ciências da Comunicação na Universidade Nova Lisboa e começou a carreira como jornalista em um estágio no Jornal de Letras. Depois, trabalhou em vários jornais e revistas, como O Comércio do Porto, Grande Reportagem e Sábado. Desde 2008 trabalha no jornal Público. Fátima: milagre ou construção? É seu segundo livro.

Compartilhar
Artigo anteriorArtemis Fowl | Disney divulga elenco principal do filme
Próximo artigoBlack Mirror: 4ª Temporada estreia em 29/12
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta