“Era sexta-feira 13, e a tempestade de neve de ontem permanecia nas ruas como um resto de maldição”

Sinopse DarkSide: Coração Satânico se passa em Nova York, em 1959. Harry Angel é um detetive particular contratado para encontrar Johnny Favorite, um músico famoso que desaparecera após a Segunda Guerra Mundial. Psicologicamente transtornado com os campos de batalha, Johnny retornaria aos Estados Unidos em estado catatônico. Dias depois, ele some do hospital de veteranos, sem deixar rastros. O caso leva Harry Angel a se envolver com seguidores do vodu, assassinos e um cliente que não ousa perdoar velhas dívidas.

Opinião: “Sem saber exatamente como, parece que criei um clássico original. A arte, por sua própria natureza, incorpora certo grau de risco e acaso. Minha obra parece prosperar baseada nisso. ” Este pequeno trecho escrito por William Hjortsberg no posfácio de Coração Satânico é a melhor definição da obra em questão. Um clássico do suspense, que completa 40 anos de publicação em 2018, que mantém o mesmo vigor narrativo para fisgar e surpreender os leitores, independente da época em que seja lido.

Coração Satânico é um daqueles genuínos escritos dos anos sessenta e setenta do século XX. Uma história cuidadosamente desenvolvida para nos envolver, mesmo que já antecipemos um ou outro acontecimento.  O suspense criado nos dá aquela mágica sensação de sermos, nós leitores, os detetives da história. Acompanhamos passo a passo a sequência da investigação sem atropelos, avanços ou sub-enredos. O tema central nunca perde espaço para algum pano de fundo desnecessário e cada personagem tem um exato papel a cumprir.

O detetive Harry Angel é um personagem fascinante, desses investigadores tradicionais que não se furtam a invadir locais, ameaçar pessoas ou usar da força para conseguir descobrir o que precisam (o típico personagem que nossos tempos modernos de politicamente correto não aprovariam). Harry é contratado para encontrar um músico famoso, Johnny Favorite, que desapareceu misteriosamente do hospital em que era tratado. O livro narra essa busca de forma primorosa em uma leitura gostosa em que as páginas se sucedem de forma automática. Não sentimos vontade de parar de ler. É envolvente!

À medida que a investigação avança, Harry descobre que Favorite deixou no passado um rastro de magia negra, envolvimento com seguidores da religião Vodu e mais perguntas do que respostas. Esse é o ponto crucial que distancia Coração Satânico de outros suspenses da época e o aproxima dos clássicos do terror que dominaram as livrarias naquela época. Os rituais narrados no livro ganham um toque sombrio e são coroados por uma descrição minuciosa de uma missa negra. Mais macabro que isso, impossível.

Mesclando suspense com terror em uma narrativa crescente em que as ações vão ganhando contornos cada vez maiores, o clímax da história é aquele tão famoso soco no estômago. Um final surpreendente e à altura da qualidade do mistério criado. Ao unir todos esses ingredientes de forma precisa, sem exageros ou soluções grotescas, William Hjortsberg produzir uma obra-prima que segue impressionando e fascinando diferentes gerações de leitores. É um clássico, e sua leitura é mais que obrigatória para fãs do gênero e para aqueles que ainda não tiveram a oportunidade de se deixar envolver pelas garras do desconhecido.

Post scriptum: Durante a leitura de Coração Satânico, acabei esbarrando na notícia do falecimento do autor William Hjortsberg em 22 de abril desse ano de 2017. A notícia era do The Livingston Enterprise (leia aqui) e não encontrei nada publicado em português sobre isso, ou seja, passou batido aqui no Brasil. Segundo amigos do autor ele trabalhava numa sequência de Coração Satânico. Fica aqui o registro aos fãs brasileiros e nossa homenagem ao grande autor.

Avaliação: 5 Estrelas

O Autor: William Hjortsberg nasceu em Nova York, em 23 de fevereiro de 1941. Interessado em literatura e teatro desde jovem, completou o curso universitário e fez pós-graduação na Yale Drama School, em 1962 e 1963. Mais tarde, frequentou a Stanford University e em 1969 publicou o primeiro livro, Alp, seguido de Gray Master, Symbiography e Toro, Toro, Toro!, que saiu em 1974. Quatro anos mais tarde, consagrou-se com Coração Satânico, que foi transformado em filme e estrelado por Robert de Niro e Mickey Rourke. Faleceu em 22 de abril de 2017 aos 76 anos, deixando inacabada uma sequência de Coração Satânico.

Compartilhar
Artigo anteriorResenha: O Inquisidor – Catherine Jinks
Próximo artigoResenha: Casada até Quarta – Catherine Bybee
Jornalista e aprendiz de serial killer. Assumidamente um bookaholic, é fã do mestre Stephen King e da literatura de horror e terror. Entre os gêneros e autores preferidos estão ficção científica, suspense, romance histórico, John Grisham, Robin Cook, Bernard Cornwell, Isaac Asimov, Philip K. Dick, Saramago, Vargas Llosa, e etc. infinitas…

Deixe uma resposta