Resenha: Uma coisa absolutamente fantástica - Hank Green

Sinopse Editora Seguinte: Enquanto volta para casa depois de trabalhar até de madrugada, a jovem April May esbarra numa escultura gigante. Impressionada com sua aparência ― uma espécie de robô de três metros de altura ―, April chama seu amigo Andy para gravar um vídeo sobre a aparição e postar no YouTube. No dia seguinte, a garota acorda e descobre que há esculturas idênticas em dezenas de cidades pelo mundo, sem que ninguém saiba como foram parar lá. Por ter sido o primeiro registro, o vídeo de April viraliza e ela se vê sob os holofotes da mídia mundial. Agora, April terá de lidar com os impactos da fama em seus relacionamentos, em sua segurança, e em sua própria identidade. Tudo isso enquanto tenta descobrir o que são essas esculturas ― e o que querem de nós. (Resenha: Uma coisa absolutamente fantástica – Hank Green).

Opinião: Os últimos 20 anos marcaram no mundo a explosão do uso da internet. Com uma velocidade cada vez maior estamos conectados em segundos a tudo que acontece ao redor do mundo. Nessa trajetória chegamos a um momento de superexposição nas redes, onde a busca pelos likes, seguidores e cinco minutos de fama é mais importante do que as conexões em si. No livro de estreia de Hank Green, “Uma coisa absolutamente fantástica”, temos exatamente isso: como um simples acontecimento pode alçar uma pessoa a fama instantânea e como isso pode afetar toda a sua vida, seja para o bem ou para o mal.

Já imaginou você estar andando pela rua e se deparar com uma escultura gigante bem no meio do seu caminho? Foi exatamente isso que aconteceu com April May após um dia de trabalho em plena Manhattan. Despertada a sua curiosidade, April chama seu amigo Andy, que faz vídeos para o youtube, e grava toda aquela cena e joga na internet. O que ela não esperava é que dezenas de esculturas iguais surgem ao redor do mundo e ela, por ter sido a primeira a divulgar os tais robôs, vira do dia para a noite, a celebridade responsável pelo curioso acontecimento. Daí em diante, você já deve imaginar: a menina vira uma web celebridade, ganha fama (e seguidores) nas redes sociais e aparece em praticamente todos os veículos de comunicação do país.

Curiosamente, os robôs em si são um mero pano de fundo para justificar a história, o mais importante nesse livro de estreia de Hank Green, são reflexões do tipo como as redes sociais podem interferir no nosso comportamento, no nosso dia a dia e nos forçar a criar um personagem para sustentar a audiência da nossa timeline. O grande problema é que ninguém consegue manter um personagem por muito tempo e quando o faz isso interfere diretamente no convívio com as pessoas que estão a sua volta. Com April não é diferente, ela precisa mostrar uma personalidade para o seu público nas redes sociais, mas isso acaba lhe afastando completamente de pessoas e coisas que até então eram fundamentais na sua vida.

Por ser o livro de estreia de Hank, damos um desconto para alguns detalhes que acabaram acontecendo ao longo da história e a principal delas foi a quantidade  de personagens secundários na história que saíram da mesma forma que entraram: quase imperceptíveis. A minha grande dúvida é se esse jogo todo com o leitor não foi proposital, pois April é bem egoísta e só pensa em si mesma, querendo curtir o seu momento de fama,  e como a história é contada em primeira pessoa talvez essa tenha sido a forma que o autor encontrou pra mostrar ao leitor que pra ela nada que estava em volta realmente importava mais do que ela.

Apesar do sobrenome, você já deve saber que Hank é irmão do nosso querido John Green, temos aqui uma forma bem pessoal do autor levar sua história ao leitor. Hank consegue, já no seu livro de estreia, deixar a sua marca pessoal e mostrar que ainda tem muito potencial para conquistar seu próprio legado junto ao público leitor. Seja pela curiosidade do nome do autor ou pela consistente história que nos é apresentada,  você deveria ler e se divertir com esse livro. É uma ótima dica para começar o ano e aproveitar as suas férias.

(Ps.: se você está lendo essa resenha em outra época do ano, me dá um desconto, mas não deixe ler esse livro, vai valer muito a pena.).

Avaliação: 5 / 5 estrelas.

Resenha: Uma coisa absolutamente fantástica - Hank GreenSobre o autor: Hank Green começou a fazer vídeos no YouTube em 2007 com seu irmão, John Green. Desde então, a dupla conquistou uma grande comunidade de fãs ao falar sobre ciência e cultura pop. Atualmente, é CEO da Complexly, uma produtora especializada em conteúdo educacional para o YouTube, como os canais Crash Course e SciShow. Seus vídeos já tiveram mais de 2 bilhões de visualizações. Também é cofundador de uma série de projetos, entre eles a VidCon, a maior conferência de criadores de vídeos para a internet do mundo. Hank mora em Montana com sua esposa, seu filho e seu gato.

Compre esse livro na Amazon!

Deixe uma resposta