Resenha: Nunca Jamais

Sinopse Galera Record: A segunda parte do suspense romântico de tirar o fôlego “Nunca Jamais” Um garoto abre os olhos e sequer se lembra que seu nome é Silas. O telefone toca… “Encontrou ela?”, pergunta a voz do outro lado da linha. Quem é ela? Quem sou eu? Charlie se vê presa em um lugar parecido com quartos de hospital (ou de um manicômio). Também não se lembra de nada, nem sequer do próprio rosto. O tempo passa e ninguém vem salvá-la. Ela precisa escapar por conta própria. Aos poucos, os dois descobrem que vêm perdendo a memória em períodos cíclicos. E também que se amam imensamente. Numa corrida para descobrir a razão dos apagões em suas memórias, Silas e Charlie acabam descobrindo muito mais sobre si e os mistérios que envolvem suas famílias. Mas muito em breve vão esquecer tudo de novo. E precisam estar juntos para evitar o pior. (Resenha: Nunca Jamais “Segunda Parte” – Colleen Hoover e Tarryn Fisher).

Opinião: Seguindo o mesmo ritmo de narrativa intercalada entre Silas e Charlie, a segunda parte de “Nunca Jamais” continua arrancando expectativas do leitor. Mesmo que em alguns ponto sofra com explicações válidas, peças do quebra cabeça aparecem e o leitor consegue formular teorias e ter um vislumbre melhor da história.

Particularmente esta segunda parte não me chamou tanta atenção quanto a primeira e seria muito mais louvável que a história terminasse nesse segundo livro. Pois, a ideia que passa é que a história de Silas e Charlie começa a ficar saturada e meio sem sal.

O livro tem ponto de partida de onde terminou o primeiro livro, com Silas acordando e não se lembrando de nada. É um tanto angustiante ter que acompanhar toda essa dramatização novamente de não saber quem é, de onde vem e o que está acontecendo. Para um alívio de tensão, as autoras colocam isso em segundo plano e os personagens começam a agir com mais agilidade. Isso, porque fragmentos da memória começam a ter mais impulsos.

Diferentemente do que acontece no primeiro livro, a desqualificação de romances clichês e do mundo cor de rosa, nesta continuação o livro consegue se aproximar um pouco mais desse mundo romantizado em que as ações dos personagens são movidas pelas chamas do amor e são cegos a ponto de não enxergarem o óbvio.

Colleen e Hoover poderiam ter dado o final já neste segundo livro sem ter que prolongar a história de Silas e Charlie. Mas, reconheço que foram audaciosas em meio a esse emaranhado de teia provocar no leitor que ele mesmo crie teorias sobre a perca de memória de Charlie e Silas. Pode ser desde um experimento científico até uma explicação espiritual. Resta-nos esperar pela conclusão. Leiam!

Avaliação:

Colleen Hoover nasceu 11 de dezembro de 1979, em Sulphur Springs, Texas. Ela cresceu em Saltillo, Texas, e formou-se a partir de Saltillo High School, em 1998. Em 2000, ela se casou com Heath Hoover, com quem ela já tem três filhos e um porco chamado Sailor. Colleen se formou na Texas A&M University-Commerce com uma licenciatura em Serviço Social. Ela trabalhou com vários projetos de ação social e de ensino, até começar sua carreira como escritora.

Tarryn Fisher é autora best-seller do The New York Times. É cofundadora de um blog de moda e coautora de uma série com Colleen Hoover. Tarryn reside na área de Seattle com sua família. Ela adora dias chuvosos, Coca-Cola, café e sarcasmo, e acha que o Instagram é o novo Facebook.

Compartilhar
Artigo anteriorEditora Rocco anuncia o lançamento de A Menina da Montanha
Próximo artigoResenha: O Mundo Perdido – Arthur Conan Doyle
Goiano do pé rachado e comedor de piqui. Alucinado por histórias fantásticas e distópicos. Tributo, Hobbit de nascença, e habitante do país de Aslan. Entre os autores Suzanne Collins é majestade e Tolkien é imperador. Técnico em Química e buscando ser químico industrial intercalado com a vida de escritor, um dia qualquer publicará seu livro. Não dispensa um cinema...

Deixe uma resposta