Sinopse Editora Arqueiro

Em A Coroa da Vingança, terceira e última aventura da série Deuses do Egito, Colleen Houck nos presenteia com um desfecho tão surpreendente e inspirador quanto o elaborado universo mitológico que criou.
Meses após sua pacata vida como herdeira milionária sofrer uma reviravolta e ela embarcar numa vertiginosa jornada pelo Egito, Liliana Young está praticamente de volta à estaca zero.
Suas lembranças das aventuras egípcias e, especialmente, de Amon, o príncipe do sol, foram apagadas, e só resta a Lily atribuir os vestígios de estranhos acontecimentos a um sonho exótico. A não ser por um detalhe: duas estranhas vozes em sua mente, que pertencem a uma leoa e uma fada, a convencem de que ela não é mais a mesma e que seu corpo está se preparando para se transformar em outro ser.
Enquanto tenta dar sentido a tudo isso, Lily descobre que as forças do mal almejam destruir muito mais que sua sanidade mental – o que está em jogo é o futuro da humanidade.
Seth, o obscuro deus do caos, está prestes a se libertar da prisão onde se encontra confinado há milhares de anos, decidido a destruir o mundo e todos os deuses. Para enfrentá-lo de uma vez por todas, Lily se une a Amon e seus dois irmãos nesta terceira e última aventura da série Deuses do Egito. (Resenha: A Coroa da Vingança – Colleen Houck).

Opinião

O final de uma história é o momento mais aguardado de qualquer leitor. Pois, é exatamente nele que encontraremos as respostas de todos os mistérios, intrigas e o que levou personagens a agirem de tal forma. O autor tem essa formula em mãos, e é só necessário que ele use a seu favor. Collen Houck deu um ar novo e consagrado neste último livro, tirando e aliviando todo o peso do segundo livro.

O segundo livro (não resenhamos ele) deixa Lily sem memórias de suas aventuras com Amon, o príncipe do sol. No entanto, ela passa a ter em sua mente duas vozes, que não entrarei em detalhes, mas que são necessárias pra que tudo volte e o fim dessa jornada chegue.

Neste terceiro livro temos uma Lily confusa, sem memória, um pouco carregada de temores e absorta em dúvidas. Este foi um ponto que deixou a história mais interessante. Já que estávamos acompanhando uma moça obstinada, voraz e cheia de poderes pessoais e nisso podemos ver um lado mais humano na personagem e que todos carregam fragilidades, mesmo quando a impressão que você passa é a de dureza.

Na jornada final perigos a aguarda, dores e sacrifícios são esperados de sua parte e isso mostra que nada será fácil. Ela tem a missão de despertar três irmãos e que um deles recobrem as suas lembranças de amor por Amon.

Os personagens mantém a linha de raciocínio contínua e são entregues ao leitor como muita sabedoria. Não sou fã de Amon, sua personalidade é aristocrática e muito “Eu”. No entanto, dos coadjuvantes, as vozes na cabeça de Lily faz com q a história não seja densa e muito menos envolvida somente no romance de Lily e Amon.

Além de toda movimentação romântica que envolve os personagens e a história, a trilogia termina com pontos altos e baixos. A mitologia egípcia entregue é muito bem trabalhada para o contexto romântico e este é o sal que o leitor precisa pra toda agua com açúcar que tem na trilogia.

Avaliação 4 estrelas

A autora Colleen Houck é antes de tudo uma leitora. Ela adora ação, aventura, ficção científica e romance, e seus livros favoritos incluem um pouco de cada um. Depois de obter um grau de associado da faculdade de Rick e transferir para a Universidade do Arizona, ela abandonou a escola para ir para a missão da igreja onde ela conheceu o marido. Colleen tem vivido no Arizona, Idaho, Utah, Califórnia e Carolina do Norte e agora está definitivamente resolvida em Salem, Oregon, com seu marido e seu gigante tigre branco de pelúcia.

Resenha do primeiro livro da trilogia

http://leitorcompulsivo.com.br/2018/01/16/resenha-o-despertar-do-principe-colleen-houck/

Compartilhar
Artigo anteriorLeitor Compulsivo é o novo parceiro da HarperCollins Brasil
Próximo artigoResenha: Robopocalipse – Daniel H. Wilson
Goiano do pé rachado e comedor de piqui. Alucinado por histórias fantásticas e distópicos. Tributo, Hobbit de nascença, e habitante do país de Aslan. Entre os autores Suzanne Collins é majestade e Tolkien é imperador. Técnico em Química e buscando ser químico industrial intercalado com a vida de escritor, um dia qualquer publicará seu livro. Não dispensa um cinema...

Deixe uma resposta