Sinopse: Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem chamado Gavião. Este livro narra as aventuras de Ged, o menino que um dia se tornará essa lenda. Ainda pequeno, o pastor órfão de mãe descobriu seus poderes e foi para uma escola de magos. Porém, deslumbrado com tudo o que a magia podia lhe proporcionar, Ged foi logo dominado pelo orgulho e a impaciência e, sem querer, libertou um grande mal, um monstro assustador que o levou a uma cruzada mortal pelos mares solitários.

Opinião: O Feiticeiro de Terramar compõe uma trilogia escrita pela autora Ursula K. Le Guin, e foi publicado originalmente em 1968 nos EUA. Hoje a detentora dos direitos aqui no Brasil é a Editora Arqueiro. É neste livro que conhecemos Ged, um garoto com dons inicialmente desconhecidos por ele, que se tornará famoso pelas façanhas feitas por onde passou, que lhe atribuíram o título de Gavião. E é através deste livro que desbravamos uma saga onde um jovem imprudente, arrogante e extremamente talentoso, que inicialmente não sabe o tamanho do poder que detém, acaba liberando um mal no mundo.

“Nunca lhe ocorreu que o perigo ronda o poder como a sombra persegue a luz? A
feitiçaria não é um jogo que jogamos por diversão ou para receber elogios. Pense nisto:
toda a palavra, todo ato de nossa arte, é falada e é feita para o bem ou para o mal. Antes
de você falar ou fazer, tem que saber o preço a pagar!”

Desde que conheci o Ciclo Terramar que queria ler os livros, pois sabia que a escritora tinha influenciado grandes autores da contemporaneidade como Patrick Rothfuss (meu grande influenciador do gênero), Neil Gaiman, Joe Abercrombie, dentre outros. Por isso quando descobri que em 2016 a Editora Arqueiro ia publicá-los fiquei muito empolgado, pois eu queria retomar aquele sentimento de ler uma história onde um grande mago passa por todas as etapas de amadurecimento até o momento em que ele é conhecido pelas façanhas feitas, desde sua infância até a vida adulta; me veio logo em mente Harry Potter e o mundo criado pela J.K. Rowling, mas ao iniciar a leitura eu percebi que estava totalmente equivocado, essa não seria uma história onde um garoto conhece uma escola onde irá aprender a dominar o seu dom, conhecerá outras crianças com a mesma idade que a sua e irá fazer amizades pro resto da vida. Confesso que fiquei meio desapontado de início, pois eu ainda não tinha percebido a grandeza da obra escrita pela autora, que apesar dela não ter nos mostrado o dia a dia do jovem Ged, Le Guin nos ensina que quando somos detentores de um grande dom, temos grandes responsabilidades para com ele, e que qualquer atitude menos ponderada que podemos ter, pode acarretar em problemas que afetarão a vida de outras pessoas.

Com uma narrativa de estilo poético, de leitura simples, cadenciada (sem aquela coisa frenética dos livros de Fantasia da atualidade), um livro curto. E gosto de fazer uma comparação d’O Feiticeiro de Terramar como se fosse uma daquelas histórias contadas por nossos avós no fim de tarde, onde o personagem vai enfrentando as dificuldades que a vida trás e que nas minuciosidades desses contos, ficam aprendizados pro resto de nossas vidas.

Avaliação: 3,5/5 estrelas.

Autora: Ursula K. Le Guin nasceu em outubro de 1929 em Berkeley, na California, e é filha do antropólogo Alfred Kroeber e da escritora Theodora Kroeber. Estudou na Radecliffe College e na Universidade de Columbia e se casou, em Paris, com o jovem historiador Charles Le Guin. A autora tem uma vasta obra, que inclui poesia, contos e romances, publicada e traduzida no mundo todo. Foi vencedora dos mais renomados prêmios da literatura fantástica: Hugo, Nebula, Locus, Asimov, Lewis Carrolll, Shelf, World Fantasy, entre outros. Por O feiticeiro de Terramar, recebeu ainda o prêmio Horn Book, do jornal The Boston Globe.

 

Compartilhar
Artigo anteriorBiografia de Hebe Camargo chega às livrarias
Próximo artigoThe Last Kingdom já está disponível no Netflix
Estudante de Rádio e TV na Universidade Federal da Paraíba, viciado em livros, principalmente de Fantasia, Horror e Terror, fã do Rothfuss, Sanderson, Martin, King, Rowling, Záfon, Lynch entre outros. Apreciador da sétima arte, adora séries, cães e não vive sem música.

Deixe uma resposta