Resenha: (Des)Amor – Pedro Pennycook

0
271

Opinião: O amor é o tema preferido de autores e poetas em qualquer lugar do mundo, em qualquer idioma. Apesar disso, falar do amor nem sempre é fácil. Às vezes falta propriedade, às vezes falta profundidade e, muitas vezes, falta de fato amor. Pedro Pennycook em seu livro de estreia, “(Des)Amor”, publicado esse ano pela Autografia, destrincha o sentimento com profundidade ímpar.

Com seus poemas íntimos e viscerais, Pennycook abre suas entranhas para falar sobre as belezas e agruras do amor. O livro é divido em duas partes, uma dedicada ao sentimento maior; outra dedicada a perda deste sentimento. Se você já amou, é possível que se sinta representado em cada poema do recifense. Seus versos fortes expõem a alma do autor e também de quem o lê. Há muito um autor nacional não falava de amor com tanta propriedade.

Nas páginas de “(Des)Amor”, Pedro Pennycook utiliza citações de outros autores para costurar alguns poemas e mistura prosa e verso de forma primorosa. Suas rimas são ricas e profundas e suas impressões sobre as belezas e mazelas do amor são reais.

Avaliação: 5 estrelas

Sobre o autor: Recifense, Pedro Pennycook nasceu artista. Escreveu seu primeiro conto aos 13 anos, não parando de experimentar com a escrita desde então. Participou do conservatório Pernambucano de Música, fazendo das melodias uma grande influência para seus poemas. Passando pelas áreas visuais, trabalhou com programação estética e design; posteriormente, trazendo para a escrita a engenharia minimalista e visual dessas áreas, tão presentes em toda sua obra.

Origem - Dan Brown - Editora Arqueiro
Compartilhar
Artigo anteriorResenha: Christine – Stephen King
Próximo artigoResenha: A Última Noite em Tremore Beach – Mikel Santiago
Carioca de nascimento e juiz-forana de todo o resto, Iracema Martins é jornalista por vocação, paixão e formação. Cresceu em uma casa cercada de livros, cultura, história e política, seus tópicos favoritos para conversas. Além de ser apaixonada por livros, assiste mais séries do que consegue acompanhar, não vive sem música e ama cinema.

Deixe uma resposta