Resenha: Tá Todo Mundo Mal – Jout Jout

0
205

Há alguns anos o Brasil foi invadido pela febre dos youtubers. Opiniões, críticas, tutoriais, guia de viagens, todos estes e outros temas começaram a movimentar o site de vídeos, criando vários influenciadores digitais com uma base forte de fãs, em sua maioria adolescentes. Após o primeiro boom, veio o segundo: os livros desse novos influenciadores. Pessoalmente, eu não gosto e nem tenho muita paciência para youtubers, até que um dia eu descobri a Jout Jout.

Julia Tolezano é a criadora do canal “Jout Jout, Prazer”. Com muita clareza e bom humor, Julia, formanda em jornalismo, 25 anos e moradora de Niterói, conversa com sua audiência sobre, além de coisas triviais, relacionamentos abusivos, terapia, feminismo, sexo, entre tantos outros temas presentes na vida de qualquer jovem. Seguindo a tendência dos youtubers, esse ano Jout Jout lançou, pela Companhia das Letras, o livro “Tá Todo Mundo Mal” (2016).

Diferente das obras de seus colegas virtuais, Jout Jout não usou a chance de publicar um livro para produzir sua biografia ou enumerar assuntos rasos e sem conteúdo. Julia, aproveitando suas próprias experiências de vida, escreveu um livro de crises, essas que a gente tem em todo o momento da vida. Crises infantis, crises pré-adolescentes, crises profissionais, crises adultas. Nossa vida é uma constante crise e Jout Jout sabe muito bem usar as dela como um exemplo de que estamos todos no mesmo barco.

Divertidíssimo, “Tá Todo Mundo Mal” é todo construído com crônicas, cada uma com uma crise diferente, mas incrivelmente relacionáveis. Com o texto leve, engraçado e confessional, Jout Jout é um sopro de ar puro e esperança entre uma geração que fala sem falar nada.

Ao final da leitura, com um riso no rosto, você vai perceber que tá tudo mundo mal mesmo. Você, seus pais, seus amigos, todo mundo, mas aprendemos também que, com bom humor, a gente consegue sair dessa da melhor forma possível.

Nota: 5/5

Compartilhar
Artigo anteriorFallen: confira o trailer oficial
Próximo artigoEntrevista com Cesar Bravo, um dos expoentes do terror nacional
Carioca de nascimento e juiz-forana de todo o resto, Iracema Martins é jornalista por vocação, paixão e formação. Cresceu em uma casa cercada de livros, cultura, história e política, seus tópicos favoritos para conversas. Além de ser apaixonada por livros, assiste mais séries do que consegue acompanhar, não vive sem música e ama cinema.

Deixe uma resposta