Resenha: Extraordinário – J.C.Palacio

0
434

Sinopse Intrínseca: August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade… até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros. Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros escontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade – um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo tipo de leitor. (Resenha: Extraordinário – J.C.Palacio)

Opinião: É na escola que muitas crianças experimentam a primeira dor. Algumas acontecem porque o coleguinha mordeu, beliscou ou empurrou. Mas também há dores que ficam na alma por toda a vida: o bullying, reflexo da intolerância, do preconceito, da ignorância e da incapacidade de muitas crianças de lidarem com o diferente. É o bullying, a estranheza e a gentileza que constroem a história de “Extraordinário” (J.C. Palacio, 2012).

Auggie é um menino que nasceu com uma síndrome genética gerando uma severa deformidade facial. Durante sua vida, o menino passou por várias cirurgias e várias complicações médicas, tudo isso impedindo que ele frequentasse a escola. Até os 10 anos, quando Auggie começa a frequentar a uma escola particular em Nova York. Não é fácil. Os colegas olham, fazem perguntas e mesmo com tudo isso, Auggie não perde a gentileza. Porém, o mais difícil para o garoto, é tentar provar para todas as outras crianças que ele é igual a todo mundo.

Fã de Star Wars, Auggie cresceu cheio de amor dos pais e da irmã mais velha, tendo em casa um ambiente saudável e de amor. E é esse amor que ele aprendeu em casa que ele espalha ao mundo. A obra é narrada pelo ponto de vista do garoto, o que deixa a leitura leve, ingênua, mas séria e necessária. Auggie sabe da sua condição e da estranheza que causa aos outros, mas não deixa que nada disso o abale.

Extraordinário” descontraí, faz chorar e, principalmente, refletir. Em uma época de intolerâncias, Auggie nos mostra que ser afetuoso, positivo e bem-humorado pode mudar a forma como você enxerga as pessoas e o mundo ao seu redor. O garoto nos prova que não há escuridão que perdure quando a gentileza ilumina. Um livro sem prescrição de idade. É para crianças, jovens, adultos e idosos. Até porque, já dizia o Profeta Gentileza, figura famosa no Rio de Janeiro na década de 1980, “Gentileza gera Gentileza” e não há frase que melhor resuma “Extraordinário”

A linda história de Auggie vai virar filme no ano que vem, com o lindo do Jacob Tremblay, o Jack de “O Quarto de Jack” (outro livro que vale uma resenha) e, ainda tem no elenco, Julia Roberts e Owen Wilson. “Extraordinário” ainda gerou outras obras: “365 dias Extraordinários”, “Auggie e Eu” e “Diário Extraordinários”, todos lançados no Brasil pela Intrínseca, além dos e-books “O Capítulo do Julian”, “Plutão” e “Shingaling”.

Avaliação: 5/5

Sobre a autora: R. J. Palacio mora em Nova York com o marido, os dois filhos e dois cachorros. Por mais de vinte anos foi diretora de arte e designer gráfica, trabalhando nos livros de outras pessoas enquanto esperava o momento certo para começar o próprio romance. Sua estreia na literatura foi com Extraordinário, uma comovente história que deu origem a 365 dias extraordináriosAuggie & eu e Diário Extraordinário.

Origem - Dan Brown - Editora Arqueiro

Deixe uma resposta